Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

7 dicas sobre guarda compartilhada e pensão alimentícia

Orientações são da equipe do Núcleo de Práticas Jurídicas da UniAvan que atende a população de Camboriú e Balneário Camboriú nas questões relativas ao direito de família

Com o maior número de divórcios da história, 43,8 mil processos contabilizados no segundo semestre de 2020, de acordo com levantamento do Colégio Notarial do Brasil –  Conselho Federal, o país registrou 15% de aumento se comparado com o mesmo período do ano anterior. Somado a isso, há os términos de relações não oficiais e, invariavelmente, crianças no meio de toda a situação. Atendendo uma demanda regional de casos, com orientações, encaminhamentos e abertura de processos, que na maioria das vezes são resolvidos por meio de acordos, embora necessitem da homologação em juízo, principalmente quando da existência de menores, está o Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) do Centro Universitário Avantis – UniAvan.

Segundo a coordenadora do NPJ, Ana Lúcia Bittencourt, os principais problemas estão ligados à guarda de filhos e pensão alimentícia. “Quando ocorre uma separação entre os pais, surgem diversas dúvidas e muitas vezes as crianças são usadas como um “escudo” para disputas de bens e até de egos”, pontua Ana Lúcia. Separamos algumas orientações acerca do tema que são de vital importância:

1) A guarda compartilhada é obrigatória. Essa é a regra geral no Brasil. É importante que os pais tenham diálogo para gerir a vidas dos filhos e tenham em mente que guarda compartilhada diz respeito à gestão da vida das crianças, já que deve ser estabelecido um domicílio base para os menores residirem. Além disso, fica resguardado o direito de convivência do pai que não tem os filhos no domicílio. Quando tudo é resolvido por acordo, ambos os adultos definem como será essa convivência e, no caso de litígio, o juiz irá fixar a forma como ela irá ocorrer. A guarda unilateral é a exceção e somente será concedida quando provadas circunstâncias que demonstrem a necessidade. No direito de família, o que deve ser valorizado é o melhor interesse da criança, que não deve sofrer os efeitos das questões entre os pais.

2) A responsabilidade é mútua. Na guarda compartilhada, a responsabilidade vale para ambos os pais. As decisões sobre a vida da criança são tomadas por ambos de forma igualitária, embora o menor resida em apenas uma das casas e tenha o direito de convivência assegurado.

3) Quem deve pagar a pensão alimentícia. O valor a ser pago a título de alimentos deve ser obrigação daquele que não tem a criança/adolescente consigo. O valor inclui moradia, alimentos, roupa, calçados, lazer, cultura, estudos, assistência médica e odontológica, dentre outras necessidades que o menor possa ter. E o mais importante a se ressaltar é que a pensão alimentícia não está atrelada ao direito de convivência. Ou seja, mesmo que não esteja sendo pago o valor a título de alimentos, a convivência deve ocorrer, principalmente por ser um direito da criança.

4) A guarda compartilhada serve não apenas para dividir o tempo, mas para que ambos exerçam as funções materna e paterna no cotidiano da criança e do adolescente. É preciso equilibrar o convívio com ambos, conforme prevê a Lei 13.058, de 22 de dezembro de 2014. Antes mesmo da edição desta normativa, entretanto, o entendimento já havia sido instituído no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

5) Não há necessidade dos pais serem amigos para a decisão da guarda compartilhada. Segundo o Superior Tribunal de Justiça, o que se prioriza é o interesse da criança ou do adolescente. A determinação é que o convívio do filho com ambos os pais é a regra, independentemente do fato de haver clima hostil entre os adultos. Cabe ao juiz da causa estabelecer as regras e determinar eventuais punições caso haja descumprimento dos termos previamente acordados.

6) A definição da guarda compartilhada minimiza a alienação parental, que é a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente, promovida ou induzida por um dos pais, por avós ou por qualquer adulto que tenha a criança ou o adolescente sob a sua autoridade. A guarda compartilhada é o ideal a ser buscado para o bem-estar do menor, mesmo que para isso acontecer, os pais precisem ressignificar a própria relação. É um direito dos filhos conviver e usufruir de ambas as referências durante sua formação.

7) Alienação parental é crime.  Também chamada de Síndrome de Alienação Parental (SAP); está definida na Lei 12.318, de 26 de agosto de 2010, em seu artigo 2°, como “ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este”. A Lei 13.431, de 4 de abril de 2017, estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera o Estatuto da Criança e do Adolescente e tipifica como crime a prática da alienação parental.

Com funciona o Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário Avantis – UniAvan

Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) do Centro Universitário Avantis – UniAvan funciona ao público terças-feiras, das 13h30min às 17h30min, e às sextas, das 18h às 22h. Os atendimentos devem ser agendados previamente e são efetuados pelos alunos e supervisionados pela professora coordenadora que também é advogada. Além disso, o Núcleo de Práticas Jurídicas conta com uma equipe especializada nas áreas em que atende, sendo, além do professor(a) da disciplina uma professora auxiliar e dois advogados. A estrutura proporciona ao aluno a experiência da advocacia, tanto no atendimento, quanto nas questões relacionadas aos processos que já foram protocolados por alunos que se formaram e ainda estão em andamento.

Núcleo de Práticas Jurídicas conta ainda com sistema de automatização que permite que os alunos tenham noções de gestão de escritório e possam trabalhar remotamente atendendo as mais recentes atualizações das Diretrizes Nacionais Curriculares do curso de Direito.

Posts Relacionados

Pesquisa Covid-19: 63% dos Municípios vacinam adolescentes sem comorbidades e 60% já aplicam dose de reforço

Diário da Cidade

UPA das Nações oferece atendimento humanizado aos pacientes

Decreto de SC libera shows e eventos com 60% da capacidade a partir de outubro

Balneário Shopping tem ponto de vacinação contra a COVID-19

Camboriú terá mutirão de limpeza no rio

No Dia Mundial da Limpeza, neste sábado (18), Fort Atacadista patrocina mutirão de limpeza em Balneário Camboriú

Fort Atacadista sorteia 22 carros 0km neste sábado (18)

Ri Happy oferece vagas de empregos temporárias em Balneário Camboriú

Camboriú fará parte do roteiro de observação de aves da Costa Verde e Mar

BC amplia para 83+ o reforço da vacina contra Covid-19 nesta sexta-feira

BC amplia para 15+ a vacinação contra Covid-19 em adolescentes nesta quinta-feira

Professoras da Rede Municipal lançam livro sobre experiências na alfabetização

Atletismo de Balneário Camboriú recebe homenagem por desempenho internacional

Diminuição de casos graves de Covid-19 permite redução de leitos de UTI

Educação de Balneário Camboriú divulga 31° Chamada do Fila Única

Censo Populacional dos Animais termina dia 27 de setembro

Handebol de Balneário Camboriú vence Etapa Sul da Liga Nacional Cadete

Estão proibidos novos empreendimentos que façam sombra na Praia Brava, em Itajaí (SC)

Campanha da FEMAMA convoca população a aumentar possibilidades de tratamento de câncer de mama no SUS

Ansiedade atinge 9,3% da população brasileira e traz prejuízos também para crianças e adolescentes