Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

“Alertei várias vezes Dilma e Lula”, diz Delcídio sobre consequências da Lava-Jato

O senador cassado Delcídio Amaral afirmou, nesta quinta-feira, que tentou alertar várias vezes a presidente afastada, Dilma Rousseff, de que as consequências da Operação Lava-Jato chegariam ao Palácio do Planalto e poderiam contaminar a gestão dela.

— Eu alertei várias vezes. Não só a presidente Dilma, mas ministros e o próprio Lula. Mas a estratégia era deixar as coisas assim. Conselheiros próximos a Dilma entenderam que ela sairia fortalecida do processo, o que foi um erro grosseiro. Isso chegou ao Planalto e contaminou definitivamente a gestão da presidente — declarou.

— Isso (a estratégia) partiu do ministro Aloizio Mercadante, corroborada, no início, pelo ministro José Eduardo Cardozo. E a presidente Dilma acreditou nisso. Eles construíram essa tese de que o governo iria se impôr. Eles subestimaram o processo e tiveram uma visão equivocada da gravidade do problema. Quando reagiram, já era tarde demais — acrescentou.

Delcídio também falou que confia na índole de Dilma, mas entende que ela “herdou” um “processo sistêmico”.

— A presidente Dilma é uma pessoa decente, ma,s na verdade, ela herdou esse processo sistêmico, que já existia. Acho que o que aconteceu é que ela não se envolvia diretamente, mas tinha conhecimento de como as coisas aconteciam — ressaltou.

Ainda em entrevista à Rádio Gaúcha, o senador cassado destacou que ainda existem outras pessoas, do “andar de cima”, que estão na mira da Lava-Jato. Segundo ele, as próximas etapas serão “definitivas”.

— Essa crise de hoje é parecida com a crise na época da CPI dos Correios. Talvez maior. Mas há um alinhamento entre o “mensalão” e o “petrolão”. Só que ninguém fala em reforma política. Não havendo isso, mais cedo ou mais tarde virão outros casos. Isso está diretamente ligado a estrutura político-partidária que leva a essa tipo de comportamento de parlamentares, de dirigentes de estatais e empresários — comentou.

Ele também confirmou a denúncia da PGR, que aponta a tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

— Eu detalho com bastante precisão tudo na colaboração. Aquilo que foi divulgado reflete efetivamente tudo isso. Foram repassados (o dinheiro) pelo Mauricio Bumlai. Ele (Lula) queria que eu ajudasse o Bumlai até pela relação que eles tem. O ex-presidente nega. Ele pedia isso com intuito de tentar ajudar o Bumlai e preocupado que o Bumlai fosse citado em delações que estavam ocorrendo à época, entre elas a do Nestor (Cerveró) e a do Fernando Baiano — disse.

Delcídio ainda reconheceu erros:

— Foi um equivoco (a tentativa de obstrução da Justiça). Já pedi desculpas. Sou um senador que nunca tive um processo. Era um senador que tinha ficha absolutamente limpa e uma postura absolutamente transparente. São aqueles erros que você comente que trazem consequências. Estou pagando muito caro por isso. Jamais poderia ter aceito um papel como esse.

Posts Relacionados

Personalização de serviços e produtos: um diferencial competitivo para as empresas

Trabalhar viajando: saiba quais os países que abriram as fronteiras para o nomadismo digital

Accor mobiliza esforços em apoio ao Rio Grande do Sul

Tecnologias brasileiras terão lugar em feira têxtil na Argentina

Justiça condena empresa de laticínios a pagar adicional de insalubridade. Entenda como funciona o benefício

Diário da Cidade

Plenário do CFC prorroga prazos para auxiliar profissionais de contabilidade do RS

Rinite e asma lideram ranking de doenças respiratórias dos brasileiros. Como saber a diferença entre as duas?

Médicos alertam para risco de distúrbio na menopausa causado pela lipedema

Farmácias Nissei transformam mais de 400 lojas em pontos de doação para vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul

Feedback, check out, business: ranking revela os termos do vocabulário corporativo mais pesquisados pelos internautas