Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

AME: a doença que possui o tratamento mais caro do mundo

* Neurologista infantil Dr. Clay Brites 

 

A atrofia muscular cerebral, mais conhecida como AME, é uma doença genética rara e sem cura. Ela leva a uma intensa fraqueza muscular em todo o corpo da criança desde o momento do nascimento, principalmente abaixo do pescoço. É considerada rara pois afeta 1 a cada 10 mil bebês. A efeito de comparação, a Síndrome de Down afeta 1 a cada 800.

 

As características da doença estão na degeneração dos neurônios motores da medula espinhal, que podem evoluir para uma insuficiência respiratória, não permitindo a autonomia na hora da locomoção e dificultando qualquer tipo de movimento. Além disso, também pode gerar pneumonias de repetição, necessidade de suporte respiratório por fraqueza muscular intensa e atrofia muscular.

 

Os sintomas da AME aparecem, geralmente, nos primeiros meses após o nascimento. Observa-se fraqueza intensa da musculatura global, especialmente abaixo do pescoço, de modo simétrico, levando a enorme hipotonia que é diminuição do tônus muscular e da força causando moleza e flacidez, além da atrofia muscular e contrações de língua e músculos em geral.

As consequências do AME ao longo da vida são que o bebê não vai conseguir adquirir autonomia para se locomover, poderá ter pneumonias de repetição, além de poder precisar de suporte respiratório por fraqueza muscular intensa e atrofia muscular. O diagnostico pode ser feito por meio de exames de sangue, eletroneuromiografia, biópsia muscular e testes genéticos, que traz um resultado específico e definitivo.

 

Mas a dificuldade na detecção é um dos fatores que prejudica o tratamento precoce. Isto porque existem diferenças no aparecimento dos sintomas em cada criança, que é definido em graus pela idade, podendo ser mais ou menos intensa. Os graus são definidos em tipo 1, quando manifestado até os 6 meses de vida; tipo 2, manifestado entre 6 meses e 18 meses; e tipo 3, que aparece após esse período.

 

Apesar de não ter cura, há tratamento e até a recente aprovação de um medicamento nos Estados Unidos – o Zolgensma. Basicamente, o tratamento consiste em cuidados paliativos e envolve fisioterapia, além de medidas preventivas para infecções. Já o remédio, apesar de revolucionário, não é de fácil aquisição, pois é um medicamento milionário, em resumo, o mais caro do mundo. Além disso, só pode ser administrado até os 2 anos de idade.

 

Até então, o medicamento que pode ser um alívio para a vida de várias famílias, possui apenas o registro de uso da Anvisa, o que, apesar de ser um passo a mais, ainda não trouxe grandes expectativas. Isso, porque o Zolgensma não é produzido nem comercializado no Brasil, o que impossibilita a incorporação ao SUS e faz com que bebês do país inteiro percam a oportunidade de um tratamento.

 

(*) Dr. Clay Brites é pediatra, neurologista infantil e um dos fundadores do Instituto NeuroSaber. 

Posts Relacionados

Promoção de consórcios turbina vendas e Sicoob atinge R$ 2,8 bilhões em oito dias

Procurador de Justiça José Galvani Alberton será o novo presidente da SCPAR

Santa Catarina registra alta de 14% no consumo de eletricidade em maio

Lojas Colombo compra a catarinense Feirão de Móveis

Happymed promove Semana da Saúde de 14 a 18 de junho

Acompanhando o desempenho da economia catarinense, consumo de Gás Natural registra recordes no mês de maio

Santa Catarina planeja imunização em massa contra a Covid-19 em cidades com alta incidência e letalidade

Sistema Aurora promove ação de doação de sangue

Palm Beach Apart Hotel de Florianópolis (SC) oferece room office com vista privativa para a praia

Curso gratuito capacitará setor turístico da Costa Verde & Mar na atividade de observação de aves

Segunda edição do Sobre Pais, de Marcos Piangers, estreia neste mês e reverterá doações ao projeto Tem gente com fome

SC vai vacinar toda a população acima de 18 anos até o fim de outubro; confira o calendário por idade

Diagnóstico precoce do Transtorno do Déficit de Atenção muda vidas

Inscrições para o Desafio Eco Cooperação podem ser feitas até esta segunda-feira (7)

Casan se integra ao Movimento da ONU Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Santa Catarina

Santa Catarina define como será a retomada da imunização contra a Covid-19 por idade

Argentinos e paraguaios estão no caminho dos brasileiros nas oitavas da Copa Libertadores

Diário da Cidade

Cirurgiã catarinense é capa da revista Saúde

Confira 4 dicas para não cair em golpes financeiros

Credioeste distribuirá mudas de árvores no centro de Chapecó