Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR Noticia SC

Argentina leva ‘fica em casa’ a sério e tem ‘resultados notáveis’ contra coronavírus.

Argentina leva ‘fica em casa’ a sério e tem ‘resultados notáveis’ contra coronavírus.

Diante da pandemia do novo coronavírus, o país vizinho vem adotando uma quarentena muito mais restritiva, com menos casos de contágio e de mortes. Governo tem grande aprovação.

Diferentemente do Brasil, cujo presidente, Jair Bolsonaro, se coloca contrário à radicalização do isolamento social, a Argentina de Alberto Fernández fechou o país em modelo de lockdown e estuda prorrogar as duras medidas. Porém, a quarentena, decretada no dia 20 de março, já apresenta resultados significativos. Até o fechamento desta reportagem, o país somava 1.795 casos de covid-19 e 70 mortes. Números muito inferiores em comparação aos vizinhos. O Brasil, por exemplo, passa dos 17 mil casos, enquanto as mortes se aproximam de mil.

Inicialmente, a quarentena foi decretada até o próximo dia 20. Entretanto, diante do quadro de disseminação crescente, Fernández já deixou claro que as medidas podem estar longe do fim. “Na capital e na Grande Buenos Aires preparem-se para seguir (a restrição). Estamos muito longe da meta”, disse o presidente na quarta-feira.

Aprovação

As medidas severas de isolamento na Argentina preocupam empresários e, também, entidades que representam trabalhadores. Entretanto, as ações do governo vão elevando a confiança popular acima do receio de um colapso econômico. Existe certo consenso sobre a necessidade dessas ações para a preservação das vidas de muitos argentinos que, compreendem, será essencial em um futuro próximo, na retomada da economia, quando a crise sanitária for superada.

Sobre o cenário real vivido pelos argentinos e sobre a avaliação das medidas adotadas pelo governo do país vizinho, a #RBA conversou com a empresária Monique Lemos. Brasileira, do interior de Minas Gerais, ela mora há mais de 10 anos em Buenos Aires e trabalha como assessora de brasileiros que vão para a Argentina estudar. Monique falou sobre receios e expectativas em meio à pandemia no país que escolheu para viver.

O governo de Alberto Fernández adotou medidas intensas de isolamento social. Como isso foi absorvido pelas pessoas?

Penso que a Argentina vai passar por isso como país referência. Quarentena antes “do bicho pegar”. Assistência social para quase todos os setores da sociedade. Não deixar se abalar pelo setor privado. Atendimentos bem feitos, controle de carros nas ruas, necessidade de permissões para circular. Tudo feito muito rápido e muito estruturado.

Penso no estado que o Alberto pegou o governo, quebrado pelo (Maurício) Macri. Ele entrou dia 10 de dezembro e tudo isso começou rapidamente. Agora ele (Fernández) vai ficar na história como referência, por ser tão efetivo.

No começo de tudo, já estávamos agradecidos de termos um presidente que adotou precauções e mostrou comprometimento com a situação. Viemos de um governo dolorido do Macri, que destruiu a economia e teve uma atenção social muito baixa. Mudamos da água para o vinho em uma situação de emergência.

No Brasil, a preocupação com a economia é central no enfrentamento da pandemia. Muitos se preocupam com os reflexos da quarentena nas projeções do mercado e também com o desemprego. Como o governo Fernández trata da questão econômica?

É muito humanizada a forma como o Alberto vê a pandemia. Ele deixa claro que o governo não esqueceu a economia, mas o país precisa estar saudável.

O Alberto tem dito que a economia é essencial, mas não existe economia que sobreviva a um país com um grande número de mortos. Ele se mostra seguro no que está fazendo. Sua equipe vem controlando preço dos produtos no supermercado, espaços que possam ser transformados em locais de atendimento para infectados com sintomas leves, fazendo com que autônomos recebam 10 mil pesos, criando formas para que aposentados possam receber sem ir ao banco. Ele tem sido muito incisivo na questão daqueles que furam a quarentena. Sentimos que é um protocolo sério de uma liderança séria.

Como empresária, como vê o cenário de óbvia desaceleração da economia? Como o governo trata o setor produtivo na Argentina?

Eu, como empresária, tenho que postergar a vinda dos alunos para cá e tenho trabalhado com estudo online. A maioria das faculdades estão mantendo algumas aulas online, passaram um calendário para reiniciar no dia 1º de junho, coisa que acho que não vai ser cumprida. Está claro que não é prioridade do governo que as aulas voltem neste ano.

Sobre o mercado, não chega a ter um desespero como no Brasil. É difícil ver alguém que não quer saber da doença e quer abrir o comércio. Da última vez que vi, 87% das pessoas concordavam com a quarentena. E as pessoas estão tratando de ser criativas com os negócios, fazendo de tudo para manter o mínimo possível para pagar custos fixos.

Como é o diálogo do empresariado com o governo?

Algumas empresas quiseram demitir em massa, mas o escracho na imprensa e nas redes foi bem grande. Não é bem visto. É um compromisso a se respeitar, o salário dos trabalhadores. Não sei se essa pressão que os empresários fazem no Brasil é parecida com o que acontece aqui. Aqui tem respostas para questões do empresariado. Eles estão em diálogo com o presidente. Esse presidente mantém comunicação com todos os setores. Não tem rixa, não tem conflito. Sindicatos, empresariado, todos estão na mesa e são ouvidos pelo Alberto para encontrar uma solução.

Fernández tem uma grande popularidade entre os argentinos. Sua postura contribui para isso? Como os argentinos enxergam o kirchnerista?

A aprovação do Alberto tem sido quase total. Desde o primeiro anúncio, no dia 19 de março, quando disse que não podíamos mais sair nas ruas, ele deixou claro que, aqueles que têm tarefas essenciais, como pessoal da saúde e de abastecimento de alimentos, teriam que tirar uma permissão pelo site do governo. Quem está na rua precisa desse “permiso”, um papel que diz aonde você trabalha, sua categoria, e se ela está na lista de atividades essenciais.

Todos os discursos dele até agora foram sérios e esperançosos. Além de explicar muito bem os protocolos seguidos, eles explicam muito os porquês desta quarentena tão forte. Poucos países estão cumprindo este protocolo de quarentena. Mas os que estão, não estão em situação de emergência.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro tem ignorado a importância do isolamento social. Ele aposta, dia após dia, na eficácia de um medicamento; a cloroquina e seu derivado, hidroxicloroquina. Existe expectativa na Argentina sobre essa droga?

Para falar a verdade, em jornais e televisão, nunca ouvi falar desses remédios como opção, muito menos alguém do governo usando desse tipo de medicamento como algum tipo de solução. Ninguém se atreve a fazer nenhum tipo de recomendação médica pela televisão, ou que não seja amparado por um médico.

Quem aparece para falar na televisão são infectologistas. Não é qualquer um que sai falando. Não tem essa repercussão que teve por aí. Tem, claro, artigos sobre esses remédios. Mas, de jeito nenhum, estamos comprando isso. Sabemos que na Argentina esse medicamento é produzido. Mas, em nenhum momento, tiraram proveito disso para falar que isso vai cuidar da população.

Tenho visto os discursos do Bolsonaro. Acho que é surreal para o mundo inteiro o que ele tem feito. Aqui ele é motivo de chacota. Não conseguimos sequer terminar de escutar o que ele está falando. A realidade que vivemos aqui é tão outra, de cuidado, de não passar informação errada. Inclusive, a quarentena tem sido anunciada de maneira fragmentada para não assustar as pessoas. Temos um cuidado.

 

Posts Relacionados

Covid-19: Webinário debate controvérsia sobre envio de dados nacionais ao Ministério da Saúde

diariodacidade

Infracommerce participa da oitava edição do Webinar Food Connections

diariodacidade

O impacto da Covid-19 no mercado de energia solar

diariodacidade

10 de julho Dia da Saúde Ocular: a importância dos cuidados com a visão

diariodacidade

Confira 21 dúvidas sobre o direito do trabalhador em meio à pandemia

diariodacidade

Núcleo de Academias da ACIC estimula doação de sangue

diariodacidade

Aprovada lei que suspende prazos de concursos públicos em SC

diariodacidade

Selo Resgata: 94 empresas que atuam no sistema prisional de SC recebem reconhecimento nacional

diariodacidade

Cartórios do Brasil atuarão na proteção patrimonial e pessoal de idosos

diariodacidade

MPF pede informações ao município de Criciúma sobre tratamento precoce da covid-19

diariodacidade

Prefeitura de Balneário Camboriú esclarece episódio do “falso médico”

diariodacidade

Equipamento disponibiliza álcool em gel gratuitamente em locais públicos

diariodacidade

Udesc avança e está entre as cem melhores universidades em ranking da América Latina

diariodacidade

Align Technology Doa 32 mil Protetores Faciais para Hospitais do Brasil

diariodacidade

Sesc e Fundo de População das Nações Unidas firmam parceria para enfrentamento à violência de gênero

diariodacidade

Raios ultravioleta como potencializadores na esterilização de ambientes contra o Coronavírus

diariodacidade

Grupo CCR assume primeira concessão em Santa Catarina

diariodacidade

Cultura Inglesa aposta em ensino por meio de games e atividades culturais durante as férias

diariodacidade

Ciclone em SC: Defesa Civil visita municípios atingidos no Vale do Itajaí e região Norte

diariodacidade

Cadastro para beneficiários do passe livre do ferry boat entre Itajaí e Navegantes ocorre de 1º a 10 de julho

diariodacidade

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: