Rio do Sul sedia Seminário Regional da Fosfoetanolamina

286

Evento é aberto e gratuito. Além de palestrante, um advogado vai tirar dúvidas do procedimento para conseguir o composto conhecido como a “Pílula do Câncer”

No dia 4 de maio acontece em Rio do Sul o Seminário Regional Fosfoetanolamina, às 14 horas, na sede do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos, na Rua Ana Nery, no Bairro Santana.

O evento é aberto ao público e vai contar com a presença de Carlos Kennedy, de Pomerode, químico prático que produzia a substância e que já relatou inúmeros casos de cura do câncer na região de Blumenau.

A Fosfoetanolamina é uma substância usada no tratamento do câncer, que vem sendo pesquisada há mais de 20 anos por cientistas da USP de São Carlos (SP). No entanto, existe a denúncia de que há um grande lobby das indústrias farmacêuticas contra a distribuição dessa substância pelo SUS e que o setor não preconiza a cura, mas a cronicidade das doenças, para poder continuar lucrando com as doenças.

Carlos explica que não há contraindicação, e que a Fosfoetanolamina é encontrada no organismo humano e de outros mamíferos. “É uma substância que imita um composto presente no organismo, que identifica as células cancerosas e permite que o sistema imunológico as reconheça e as remova”, afirma. A matéria prima é abundante na natureza e o custo de tratamento é baixo. Os cientistas da USP, responsáveis pela pesquisa, querem a distribuição gratuita pelo SUS.

Lei foi sancionada pela Presidência da República

No dia 13 de abril a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 13.269 que libera a Fosfoetanolamina mediante comprovação da doença e de assinatura de termo de responsabilidade por parte do paciente. Mas a indústria e até associação médica vem questionando a Lei. O STF indeferiu ação da Associação Brasileira de Médicos (ABM), que se posiciona contra o composto, por ainda não ter o registro da Anvisa.

A lei autoriza o uso da substância fosfoetanolamina sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna, ficando claro que os pacientes que optarem por usar a pílula deverão apresentar laudo médico comprovando o diagnóstico de tumor maligno, assim como um termo de consentimento e responsabilidade assinado pelo próprio enfermo ou por um representante legal. Mas ainda há muita dúvida e polêmica acerca da Fosfoetanolamina.

Diante de toda a polêmica que envolve a pesquisa, com inúmeros relatos de cura do câncer, o lobby da indústria e a burocracia da Anvisa, um grupo de entidades de Rio do Sul resolveu promover este seminário regional, como forma de pressão popular para que o composto chegue o mais rápido possível a quem precisa, porque quem tem câncer não pode esperar.

Os organizadores do evento são os sindicatos dos servidores municipais (SINSPURS), dos trabalhadores têxteis (SITITEV), dos metalúrgicos (STIMMMERS) e a Cáritas Diocesana de Rio do Sul, com apoio da Cooperativa da Agricultura Familiar do Vale do Itajaí (Cooperfavi), da RBA TV, da Rádio Difusora e do Jornal O Riossulense.

As entidades organizadoras esperam a participação dos prefeitos do Alto Vale do Itajaí, dos secretários de Saúde e de quem atua na área da saúde. Mas o evento é aberto a todos e gratuito.

OUTRAS INFORMAÇÕES: (47) 3521-0280, com Marilene Espíndola, no SINSPURS, ou (47) 3521-2526, com Zeli da Silva, no SITITEV.

Convite Fosfo