Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

Catequese do Papa: risco da esperança em falsos ídolos

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

No passado mês de dezembro e na primeira parte de janeiro, celebramos o tempo do Advento e depois aquele do Natal: um período do ano litúrgico que desperta no povo de Deus a esperança. Esperar é uma necessidade primária do homem: esperar o futuro, acreditar na vida, o chamado “pensar positivo”.

Mas é importante que tal esperança seja colocada naquilo que realmente pode ajudar a viver e a dar sentido à nossa existência. É por isso que a Sagrada Escritura nos adverte contra as falsas esperanças que o mundo nos apresenta, desmascarando sua inutilidade e mostrando sua insensatez. E o faz de vários modos, sobretudo denunciando a falsidade dos ídolos em que o homem é continuamente tentado a colocar a sua confiança, fazendo-lhe objeto de sua esperança.

Em particular, os profetas e sábios insistem nisso, tocando um ponto mais importante do caminho de fé do crente. Porque fé é confiar-se a Deus – quem tem fé, se confia a Deus – mas vem o momento em que, confrontando-se com as dificuldades da vida, o homem experimenta a fragilidade daquela confiança e sente a necessidade de certezas diversas, de seguranças tangíveis, concretas. Eu confio em Deus, mas a situação é um pouco ruim e eu preciso de uma certeza um pouco mais concreta. E ali está o perigo! E então somos tentados a procurar consolos também efêmeros, que parecem encher o vazio da solidão e aliviar o cansaço do crente. E pensamos poder encontrá-los na segurança que pode dar o dinheiro, nas alianças com os poderosos, na mundanidade, nas falsas ideologias. Às vezes os procuramos em um deus que possa se dobrar às nossas exigências e magicamente intervir para mudar a realidade e torná-la como nós a queremos; um ídolo, de fato, que como tal não pode fazer nada, impotente e enganador. Mas nós gostamos dos ídolos, gostamos tanto! Uma vez, em Buenos Aires, precisei ir a outra igreja, mil metros, mais ou menos. E o fiz caminhando. E há um parque no meio, e no parque havia pequenas mesas, mas tantas, tantas, onde estavam sentados os cartomantes. Estava cheio de gente, fazia até fila. Você lhe dava a mão e ele começava, mas o discurso era sempre o mesmo: há uma mulher na tua vida, tem uma sombra que vem, mas tudo andará bem…E depois, pagava a eles. E isso te dá segurança? É a segurança de uma – permita-me a palavra – de uma estupidez. Ir à cartomante que lê as cartas: isso é um ídolo! Este é o ídolo, e quando somos tão apegados a eles: compramos falsas esperanças. Em vez daquela que é a esperança da gratuitidade, que nos trouxe Jesus Cristo, gratuitamente dando a vida por nós, naquelas às vezes não confiamos tanto.

Um Salmo cheio de sabedoria nos retrata de modo muito sugestivo a falsidade desses ídolos que o mundo oferece à nossa esperança e nos quais os homens de todo tempo são tentados a confiar. É o Salmo 115, que recita assim:

“Seus ídolos são ouro e prata,
obra das mãos do homem.
Têm boca e não falam,
têm olhos e não veem,
têm orelhas e não ouvem,
têm nariz e não sentem cheiro.
Suas mãos não tocam,
seus pés não caminham;
de sua garganta não saem sons!
Torna-se como eles quem os fabrica
e quantos neles confiam!” (vv. 4-8).

O salmista nos apresenta, de modo também um pouco irônico, a realidade absolutamente efêmera destes ídolos. E devemos entender que não se trata somente de figuras feitas de metal ou de outro material, mas também daquelas construídas com a nossa mente, quando confiamos em realidades limitadas que transformamos em absolutas, ou quando reduzimos Deus aos nossos esquemas e às nossas ideias de divindade; um deus que se assemelha a nós, compreensível, previsível, justamente como os ídolos de que fala o Salmo. O homem, imagem de Deus, fabrica um deus à sua própria imagem, e é também uma imagem mal alcançada: não sente, não age e, sobretudo, não pode falar. Mas nós ficamos mais felizes de ir aos ídolos do que ao Senhor. Ficamos tantas vezes mais contentes com a esperança efêmera que te dá este falso ídolo, que com a grande esperança segura que nos dá o Senhor.

À esperança em um Senhor da vida que com a sua Palavra criou o mundo e conduz as nossas existências, se contrapõe a confiança em simulacros mudos. As ideologias com a sua pretensão de absoluta, as riquezas – e este é um grande ídolo – o poder e o sucesso, a vaidade, com a sua ilusão de eternidade e de onipotência, valores como a beleza física e a saúde, quando se tornam ídolos aos quais sacrificar qualquer coisa, são todas realidades que confundem a mente e o coração, e em vez de favorecer a vida conduzem à morte. É ruim ouvir e causa dor na alma o que uma vez, há anos, ouvi, na diocese de Buenos Aires: uma mulher, muito bonita, se vangloriava da beleza, comentava, como se fosse natural: “É sim, precisei abortar porque a minha imagem é muito importante”. Estes são os ídolos, e te levam no caminho errado e não te dão felicidade.

A mensagem do Salmo é muito clara: se se coloca a esperança nos ídolos, se torna como eles: imagens vazias com mãos que não tocam, pés que não caminham, bocas que não podem falar. Não há mais nada a dizer, se torna incapaz de ajudar, mudar as coisas, incapaz de sorrir, de doar-se, incapaz de amar. E também nós, homens de Igreja, corremos este risco quando nos “mundanizamos”. É preciso permanecer no mundo mas defender-se das ilusões do mundo, que são estes ídolos que mencionei.

Como prossegue o Salmo, é preciso confiar e esperar em Deus e Deus dará benção.

Assim diz o Salmo:

“Israel, confia no Senhor […]
Casa de Arão, confia no Senhor […]
Vós que temeis o Senhor, confiem no Senhor […]

O Senhor se lembra de nós, nos abençoa” (vv. 9.10.11.12). Sempre o Senhor se lembra. Também nos momentos ruins, ele se lembra de nós. E esta é a nossa esperança. E a esperança não desilude. Nunca. Nunca. Os ídolos desiludem sempre: são fantasias, não são realidade.

Eis a maravilhosa realidade da esperança: confiando no Senhor se torna como Ele, a sua benção nos transforma em seus filhos, que partilham a sua vida. A esperança em Deus nos faz entrar, por assim dizer, no alcance de sua memória, da sua memória que nos abençoa e nos salva. E então pode jorrar o aleluia, o louvor ao Deus vivo e verdadeiro, que por nós nasceu de Maria, morreu na cruz e ressuscitou na glória. E neste Deus nós temos esperança, e este Deus – que não é um ídolo – não desilude jamais.

Posts Relacionados

Gaspar adotará vacinação “drive thru” contra a gripe

diariodacidade

Facisc diz que lojas de departamento abriram para vender chocolates de forma “ilegal e arbitrária”

diariodacidade

Artista Cesar Heinzmann morre em Florianópolis

diariodacidade

Coronavírus: PM recebe denúncias e orienta funcionários da Havan a vender só o permitido.

diariodacidade

Denúncia sobre salão de beleza aberto termina com ação da PM e porta quebrada.

diariodacidade

Adolescentes são apreendidos suspeitos de morte de homem.

diariodacidade

Crédito para microempreendedor será ampliado, diz governo de SC.

diariodacidade

Coronavírus em SC: casos confirmados sobem para 334 e 8 mortes aguardam exames.

diariodacidade

Ciclone e maré alta causam estragos em praias de Santa Catarina; Defesa Civil alerta para novo pico.

diariodacidade

Cientistas da UFSC divulgam passo a passo de como fazer máscaras caseiras

diariodacidade

ACIC sugere: compre do pequeno e fortaleça o negócio do seu bairro

Coronavírus: Bancos e lotéricas reabrem em SC e clientes fazem fila para resolver pendências

Governos de MT, RO e SC seguem Bolsonaro e reabrem o comércio

Governo do Estado determina medidas para retomada das obras públicas e de conservação rodoviária

Governo do Estado de SC confirma primeira morte por Covid-19

Prefeitura de São Paulo, Ambev, Gerdau e Einstein unem forças para construir em 40 dias 100 novos leitos em um hospital público

Diário da Cidade

Indaial pede que moradores identifique casas com idosos com pano branco

Diário da Cidade

testes

Diário da Cidade

Protegido: Ataques Virtuais em tempos pré eleitorais assustam em Balneário Camboriú

Diário da Cidade

Filhas do Sol mostra a luta de mulheres curdas em guerra pela liberdade feminina

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: