Chuva de meteoros Líridas é registrada no Sul do Rio de Janeiro

223

A chuva de meteoros Líridas foi registrada na madrugada desta quinta-feira (21), por um morador de Porto Real, no Sul do Rio de Janeiro. O publicitário e fotógrafo Leonardo Pires, explicou que para fotografar o evento usou uma câmera DSLR semi-profissional com lente 18mm, com longo tempo de exposição e ISO alto, que permite capturar maior quantidade de luz e assim registrar a passagem dos meteoros, popularmente conhecidos como “estrelas cadentes”.

O evento astronômico, que pode ser observado em todo o Brasil, acontece todos os anos na segunda quinzena de abril, e nos dias 21 e 22 que acontece o pico — quando a quantidade de riscos no céu é maior. A chuva de meteoros Líridas é resultado da passagem da Terra pelos rastros de detritos deixados pelo cometa Thatcher (C/1861 G1).

Leonardo contou que no final de uma hora, foram feitas mais de 150 fotos e após escolha das que captaram o fenômeno, foi feito o tratamento digital para eliminar ruídos, e combinando as melhores, foi possível chegar no resultado — como visto na foto acima — em uma única fotografia.

Para quem quiser tentar observar os meteoros, que poderá ser visto ainda na madrugada de sexta-feira (22), com o pico de 2h às 5h, o publicitário passou algumas orientações. “A dica é olhar para Noroeste, na constelação de Lira, e escolher uma região com pouca iluminação. Mas como a Lua está cheia, o brilho dela pode acabar ofuscando os meteoros menos luminosos. Porém a partir das 4h é o melhor horário para se observar, pois a região está mais centralizada no céu e a Lua mais baixa.”

Para facilitar a localização da constelação de Lira —, onde está a estrela Vega, que é a quinta estrela mais brilhante no céu noturno —, Leonardo disse que bússolas podem ajudar, “Há diversos aplicativos para celular que utilizam do sistema de GPS e localizam facilmente a posição da constelação”, finalizou.

Meteoros em maio
Nos dias 5 e 6 de maio, ocorrerá a chuva de meteoros Eta Aquáridas, na constelação de Aquarius. O fotógrafo alertou que no mês que vem também será possível observar o fenômeno em todo Brasil. “A média de meteoros será ainda mais intensa e a Lua nova vai proporcionar uma experiência de visualização ideal este ano com o céu escuro. A melhor visualização geralmente é para o leste após a meia-noite, longe das luzes da cidade”, explicou.

Os meteoros Eta Aquáridas são flocos de poeira do cometa Halley, que visitou pela última vez o sistema solar e a órbita da Terra em 1986. Embora o cometa agora esteja além da órbita de Urano, ele deixou para trás um fluxo de poeira e detritos. “O ‘radiante’ – como é chamado o ponto de maior concentração do fenômeno – surge ao longo do horizonte leste, próximo à estrela Eta, entre 3 e 5 da manhã”, concluiu Leonardo.