Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Colombo, Dornelles, Fernando Pimentel, Pezão e Geraldo Alckmin retomam debate sobre dívidas

O governador Raimundo Colombo participou nesta terça-feira, 10, no Rio de Janeiro, de reunião com os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin; de Minas Gerais, Fernando Pimentel; e com o governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles. Na pauta, a retomada do debate em torno da renegociação das dívidas dos estados com a União, depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em suspender por 60 dias o julgamento da tese catarinense que contraria os cálculos do Governo Federal.
“Nosso desejo é continuar a negociação e buscar um ponto de equilíbrio que permita aos estados continuarem prestando serviços públicos essenciais à sociedade e vencer essa crise que está afetando todo mundo. Eu percebo que há continuidade nessa disposição de colaboração mútua”, afirmou Colombo. O secretário de Estado da Fazenda, Antonio Gavazzoni, também acompanhou a reunião. Após o encontro, o grupo visitou o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que está temporariamente afastado do cargo para tratamento de saúde.

O Governo de Santa Catarina está questionando, por meio de mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), os cálculos do Governo Federal na cobrança da dívida pública do Estado com a União. Em sessão no dia 27 de abril, os ministros do STF começaram a avaliar o pedido, mas decidiram adiar por 60 dias o julgamento para tentar que as partes apresentem uma nova proposta em comum, mantendo durante este período as liminares concedidas anteriormente.

Rio de Janeiro, 10-05-2016. Governadores Fernando Pimentel,(MG), Geraldo Alckmin, (SP), Raimundo Colombo, (SC), e o governador em exercício Francisco Dornelles, visitam o governador Pezão. Foto: Carlos Magno

A tese catarinense, como o caso ficou conhecido, ganhou apoio de outros estados, que também questionam os cálculos da União. “Essa é uma questão federativa, que envolve todos os estados. Mas estamos aguardando os próximos dias, é preciso esperar essa transição para conversar com a nova área financeira”, acrescentou o governador Geraldo Alckmin, após a reunião desta terça, referindo-se à discussão sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em Santa Catarina, as contas ainda estão equilibradas, mas outros estados já estão atrasando pagamentos de servidores e fornecedores. Colombo defende três pontos para manutenção deste equilíbrio nas contas catarinenses: o controle da folha de pagamento, a reforma da previdência (realizada em 2015 e que começa a ter impactos neste ano) e, agora, a renegociação da dívida pública com a União. “É preciso ter redução nestes três itens para sobreviver diante da queda de arrecadação”, afirmou.

Na foto de capa, da E para a D: Colombo, Dornelles, Fernando Pimentel, Pezão e Geraldo Alckmin

Posts Relacionados

Para 42% dos jovens, redes sociais podem influenciar eleições e 96% acreditam na relevância das fake news

Disparada no preço dos alimentos que compõem a cesta básica faz pedidos de ajuda em ONG’s explodirem

Edital vai doar R$ 3,7 milhões para ONGs de saúde brasileiras

Brasil registra mais de 13 mil novos casos de câncer de tireoide, segundo INCA

Pastor Michael Aboud Pastor Everaldo

Diário da Cidade

Arena do Grêmio reduz emissão de mais de 630 toneladas de dióxido de carbono

Sua marca está preparada para a geração Z? Veja 3 maneiras de conquistar o novo perfil de consumidor

Crianças e adolescentes por um trânsito mais seguro

Silencioso, câncer de ovário requer atenção e monitoramento

Lançado nesta quinta (19), curso Mais Mulheres na Política está com inscrições abertas