Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

Coronavírus: Como fica a guarda compartilhada dos filhos no período de quarentena?

Advogada especialista em Direito de Família explica como fica a situação jurídica nos tempos de isolamento social

A pandemia causada pelo novo coronavírus (COVID-19) está deixando grande parte da população brasileira em isolamento nas suas casas. A medida serve para que a doença de fácil contágio não se espalhe ainda mais facilmente entre as pessoas. Por conta disso, o comércio, alguns bancos, shoppings, restaurantes, academias e outros estabelecimentos fecharam as portas por tempo indeterminado. Durante este período, muitas pessoas tiveram suas rotinas alteradas e estão trabalhando em casa ou até mesmo foram dispensados de seus trabalhos.

Alguns pais divorciados estão enfrentando além do medo da contaminação, o dilema da divisão da guarda compartilhada dos filhos. Como conviver com as crianças se devemos evitar sair de casa e visitar outras pessoas?

Uma recente decisão do TJ-SP proibiu um homem que havia chegado de uma viagem à Colômbia visitasse sua filha. De acordo com os autos do processo, a criança tinha graves problemas respiratórios e estava no grupo de risco de contaminação do novo coronavírus. O texto disse que após o período de quarentena de 15 dias, se não fosse comprovada sua contaminação, ele poderia voltar a exercer seu direito de visitar a filha.

Em uma situação de isolamento social como esta que o Brasil está enfrentando, como pode ser resolvida de forma rápida a situação das crianças e adolescentes que tem sua guarda compartilhada, já que os prazos processuais estão suspensos e o judiciário está funcionando em sistema de plantão, priorizando apenas casos de urgência?

Debora Ghelman, advogada especialista em Direito Humanizado nas áreas de Família e Sucessões explica como esta situação pode ser contornada: “O ex-casal precisa dialogar e, principalmente, buscar entender o que é ideal para seu filho, para sociedade e para todos os que estão ao seu redor. Este é o primeiro questionamento a ser feito”.

Se a criança pertence ou vive com alguém que esteja no grupo risco e o genitor, que não reside com o filho, morar com uma pessoa que também esteja neste grupo, o ideal é que a criança permaneça em sua casa com os devidos cuidados. O responsável que não vive com o filho precisa ter acesso aos meios digitais de comunicação para comunicar-se com a criança. A mãe ou o pai que resida com o menor precisa disponibilizar estas mesmas ferramentas digitais a ele. Não se pode proibir a comunicação e se isso acontecer, será configurado como alienação parental, orienta Debora.

Uma grande preocupação das famílias é caso algum dos pais já esteja infectado com coronavírus, o que fazer para não transmitir para a criança? Mesmo que não estejam no grupo de risco a contaminação em crianças é preocupante pois elas nem sempre estão atentas a lavar sempre as mãos e utilizar o álcool em gel, correndo o risco de transmitir o vírus para outras pessoas.

“O ideal nesta situação é que a guarda da criança seja transferida provisoriamente para o outro responsável que não esteja doente. Inclusive na Espanha há uma decisão recente neste sentido.” explica a advogada.

Debora ainda acrescenta que se o pai, a mãe e a criança não estiverem em um grupo de risco e não tiverem acesso a ninguém deste grupo, a convivência deverá ser mantida como foi acordada. Mas a criança precisa estar protegida e o genitor que for buscar o filho tem que assegurar que ele não seja exposto ao coronavírus.

Conversar com as crianças, esclarecer tudo o que está acontecendo e explicar sobre a pandemia também é importante. Eles precisam saber os motivos certos pelos quais o pai ou a mãe estão ausentes presencialmente, o diálogo aberto com os filhos é fundamental neste momento.

“Estamos vivendo um momento atípico no qual ainda não há muitas decisões sobre a guarda compartilhada no caso de uma pandemia. É um tema novo e que precisa ser bastante discutido entre os operadores do Direito de Família. Os pais precisam conversar muito, não é o momento de ficar acionando a Justiça por qualquer razão. É hora de evitar conflitos.” finaliza a especialista.

*Debora Ghelman é advogada especializada em Direito Humanizado nas áreas de Família e Sucessões, atuando na mediação de conflitos familiares a partir da Teoria dos Jogos.

Posts Relacionados

A diferença entre o Evangelho e o Cristianismo. – Daniel Botelho na Live com Caio.

diariodacidade

Daniel “Paxtorzão” na Live com Caio Fábio.

diariodacidade

CRENTE HATER – APÓSTOLO ARNALDO

diariodacidade

Rev. Caio Fabio: “Silas Malafaia é um Anti-Evangelho vivo!”

diariodacidade

Balneário Camboriú registra 33 novos casos de coronavírus nesta sexta-feira (05)

diariodacidade

Retomada dos ônibus intermunicipais será feita nesta segunda-feira

diariodacidade

Sábado, dia 6, é Dia D Vacinação em Camboriú

diariodacidade

Campanha alerta sobre importância do Teste do Pezinho para o diagnóstico precoce de doenças genéticas

diariodacidade

Rogério Minotouro na live com Caio Fábio!

diariodacidade

Cesta Básica registra aumento de valores em junho

diariodacidade

Itajaí e Balneário Camboriú ganharão cinema drive-in

diariodacidade

Itajaí Shopping recebe exposição fotográfica em homenagem ao aniversário de Itajaí

diariodacidade

Sebrae/SC lança guia de turismo para anunciar em plataformas de hospedagem

diariodacidade

TRAVESSEIRO DE PEDRA UNGIDO – APÓSTOLO ARNALDO

diariodacidade

Dia do Meio Ambiente: preservar água é prioridade da Epagri na estiagem

diariodacidade

Balneário Camboriú poderá ficar sem transporte coletivo devido impasse com a Expressul

diariodacidade

Covid-19: Frigoríficos do Oeste de SC começam a se adequar à proteção de indígenas

diariodacidade

Semasa prepara Estação de Tratamento de Esgoto para atender 80% do território urbano até 2022

diariodacidade

Negócios se adaptam para reabrirem as portas e amenizar impactos da crise

diariodacidade

Justiça do Trabalho de SC lança ação nas redes sociais em mês que marca combate mundial ao trabalho infantil

diariodacidade

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: