Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

Covid-19: MPF em Chapecó busca evitar propagação da doença na Aldeia Condá

Autoridades federais, estaduais e municipais devem tomar medidas em 48 horas, depois que indígena Kaingang contraiu o novo coronavírus

Depois que um indígena residente na Aldeia Condá, em Chapecó (SC), recebeu resultado positivo para a covid-19, o Ministério Público Federal (MPF) enviou recomendação aos órgãos de saúde pública para que imponham medidas efetivas visando a impedir a propagação do vírus naquela comunidade Kaingang. Conforme a recomendação, as autoridades federais, estaduais e municipais de saúde devem ainda identificar todas as pessoas que mantiveram contato com o indígena, aplicando imediatamente testes em todos e em seus familiares próximos, tomando também medidas rigorosas de isolamento domiciliar de cada um e prestando o atendimento ambulatorial ou hospitalar necessário.

O documento do MPF, assinado pelo procurador da República Carlos Humberto Prola Júnior, foi enviado à coordenação do Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul (DSEI-Isul) e aos titulares da Secretaria de Estado da Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó para que adotem essas providências em 48 horas, contadas a partir desta quinta-feira (14). O MPF deve ser informado sobre as providências adotadas para o cumprimento da recomendação, conforme determina o artigo 6º, inciso XX, da Lei Complementar nº 75/93 e do artigo 10 da Resolução CNMP nº 164/2017.

A recomendação do MPF, conforme o documento de sete páginas enviado às autoridades de saúde, “dá ciência e constitui em mora o destinatário quanto às providências solicitadas, podendo a omissão na adoção das medidas recomendadas implicar o manejo de todas as medidas administrativas e ações judiciais cabíveis contra os agentes que se omitirem, inclusive eventual representação pela prática de crime de discriminação ou preconceito”.

Entre as considerações enviadas aos órgãos de saúde pública, o MPF lembra que a situação de especial vulnerabilidade social e econômica a que estão submetidos os povos indígenas no país, bem como as dificuldades logísticas de comunicação e de acesso aos territórios, agravam o risco de genocídio indígena. Também é observado que viroses respiratórias foram vetores do genocídio indígena em diversos momentos da história do país, com dezenas de casos provocados por epidemias registrados em documentos oficiais, como o relatório da Comissão Nacional da Verdade de 2014 e o Relatório Figueiredo de 1967.

Conforme previsto no “Protocolo de Manejo Clínico da Covid-19 na Atenção Especializada”, elaborado pelo Ministério da Saúde, a população indígena aldeada ou com dificuldade de acesso está incluída no grupo de risco da covid-19. O documento ainda observa que a Portaria nº 419, de 17 de março de 2020, da presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai), que estabelece medidas temporárias de prevenção à infecção e propagação do novo coronavírus (covid-19), restringiu o acesso às terras indígenas, objetivando prevenir a expansão da epidemia entre esses povos.

A recomendação do MPF também cita alerta da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) que, em nota, afirmam que “diversos estudos mostram elevadas prevalências de diferentes doenças e agravos à saúde na população indígena, como desnutrição e anemia em crianças, doenças infecciosas como malária, tuberculose, hepatite B, entre outras, além da ocorrência cada vez mais frequente, em adultos, de hipertensão, diabetes, obesidade e doenças renais.

Tais comorbidades tornam essas pessoas mais vulneráveis a complicações, gerando preocupação sobre o modo como a epidemia poderá se comportar na população indígena, em termos de evolução e gravidade. (.) Além disso, muitos territórios indígenas estão mais próximos de pequenas cidades com precária estrutura de serviços de saúde, onde há pouca ou nenhuma disponibilidade de hospitais especializados e serviços de UTI, dificultando o tratamento de casos graves de coronavírus”.

Posts Relacionados

História em quadrinhos valoriza cultura italiana do sul do Brasil

Prazo para inscrições no Programa de Pesquisa Universal termina dia 23 de setembro

Recicla Xanxerê coleta mais de 6 toneladas de produtos

Setembro amarelo e o tabu com o tema

Projeto de Dário torna inafiançável crime relacionado a pedofilia

Novo protocolo sanitário define regras para retorno de esporte recreativo em SC

Alesc aceita segundo pedido de impeachment de governador e vice

Movimento MP Mulheres SC lamenta “prática de fazer graça com a violência doméstica”

Grupo Pereira dobra as doações do tradicional Troco Solidário

CartonDruck doa mais de 1,3 milhão de copos descartáveis de papel para hospitais de Santa Catarina

A EFICÁCIA DA GRATIDÃO pela psicóloga Sandra Morais

Lei institui Delegacia Virtual da Mulher em Santa Catarina

Diário da Cidade

Produtor artesanal catarinense vai expandir o mercado para todo o território nacional

Cuidados simples evitam a entrada de escorpiões em casa

Diário da Cidade

Governo do Estado entrega nova frota de ônibus escolares

Governo realiza chamada de 36 engenheiros para a Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade

Santa Catarina passa a ter ligação aérea com Miami no transporte de cargas

Caixa credita hoje saque emergencial do FGTS para nascidos em junho

Contratação de 350 temporários para a transformação digital é inconstitucional, diz ANATI

Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) aponta que Santa Catarina já desenvolveu 90 projetos

Diário da Cidade

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: