Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Deus me deu a missão de tirar o Brasil da crise, diz Temer

Nos últimos 13 anos, o Brasil se desacostumou a ver a religião como algo positivo. A agenda da esquerda, baseada em ideais marxista vem batendo na tecla de que um Estado laico implicaria na abolição da religião. Desconsideram, porém, que existe a esfera privada da vida de um político, que tem o direito constitucional de professar uma religião.

Por isso, surpreende a muitos ver o tom religioso usado por Michel Temer em seus pronunciamentos públicos. No dia da posse, afirmou que tinha como objetivo “religar” um país dividido, usando como paralelo o sentido original da palavra religião.

Nesta terça (24), ao anunciar as primeiras medidas econômicas, o presidente interino afirmou: “Deus me deu uma missão, que eu ajude a tirar o Brasil da crise”. Talvez o uso de termos religiosos nesse momento seja necessário por que o país precisa de um verdadeiro milagre na economia.

Ontem foi entregue ao Congresso a proposta de meta fiscal, com o anúncio que herdou do governo Dilma um déficit de R$ 170,5 bilhões.

Temer esclareceu que o país precisa de integração para superar as dificuldades econômicas. “Precisamos pacificar, harmonizar o país para trazer o crescimento”, lembrando que a situação financeira da nação “não será resolvida de um dia para outro”.

Entre as medidas anunciadas por Temer está a intenção de devolver ao Tesouro os recursos repassados ao BNDES, que passam dos R$ 100 bilhões. Este ano seria possível recuperar R$ 40 bilhões. Porém, para concretizar a medida, o novo governo aguarda aval sobre a possibilidade jurídica.

Outro anúncio que recebeu destaque é o encaminhamento ao Congresso de uma proposta de emenda à Constituição (PEC) limitando o gasto público. Ele ficaria limitado à inflação do ano anterior.

Se aprovada, isso forçaria mudanças radicais na gestão da máquina pública nos próximos anos.  Para efeitos de comparação, o Orçamento da União seria pouco mais de metade do que é hoje, caso a medida estivesse em vigor nos últimos dez anos.

Posts Relacionados

O que é a Síndrome da Cabana?

Dor de cabeça pode ter relação com a coluna, entenda

Fort Atacadista inaugura 58ª loja com investimento de R$ 120 milhões

Do topo ao fundo: 11 times que já estiveram em alta, mas estão sem divisão nacional em 2024

Embora e-commerce tenha perdido tráfego em dezembro, segmento turístico continua aquecido

Primeiro dia da 6ª Conferência Distrital de Cultura reúne agentes culturais para apresentação de demandas da classe

Revisão da vida toda: STF reinicia deliberações em uma nova etapa de análises

Capacitismo: atletas colegas de Vinicius Rodrigues explicam como evitar o preconceito que atinge pessoas com deficiência

Tecnologia na gestão escolar: quais as vantagens para a administração de instituições de ensino

O que é necessário para empreender em 2024?