Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Economista aponta impactos para o Brasil trazidos pela crise hídrica

Edson Trajano, professor de Economia do Centro Universitário Módulo, pensa em opções para o país sair da crise

São Sebastião, 30 de novembro de 2021 – O Brasil enfrenta uma das maiores crises hídricas dos últimos 91 anos, com as principais hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste apresentando um dos índices mais baixos de armazenamento de água. Um fator extremamente preocupante, visto que essa falta impacta diversos setores além do hidrelétrico, como o energético, agrícola, econômico e industrial. Ou seja, é o principal combustível para continuidade de todas as atividades humanas do país.

Economista e professor do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Módulo, instituição que pertence ao grupo Cruzeiro do Sul Educacional, Edson Trajano explica que apesar de a primavera ter amenizado, temporariamente, o problema da crise hídrica, o cenário ainda é muito preocupante. “O nível dos reservatórios continua muito baixo e isso impacta na redução da oferta de energia resultante das hidrelétricas. Essa energia é a mais barata no mercado brasileiro. A consequência dessa baixa oferta de energia resulta em uma maior utilização das termelétricas que são movidas a combustíveis, e esses estão muito caros.”

Para Trajano, é necessário aumentar os investimentos na produção de energia, sobretudo em alternativas de produção de energia limpa, como a solar e a eólica, para que o país saia da crise. “Nesses segmentos, o custo de produção ainda é muito elevado em comparação à energia das hidrelétricas, por isso, requer um subsídio maior do setor público”, enfatiza.

A crise hídrica traz diversos impactos para a população e a economia brasileira, atingindo tanto famílias quanto empresas. O aumento da energia citado pelo professor Edson impacta diretamente nos custos de todas as cadeias produtivas, e reduz os projetos de novos investimentos, dificultando a retomada na geração de emprego e renda do país.

“Também tem impacto direto no orçamento das famílias, com o maior custo na própria conta de energia, mas também custos decorrentes da produção e comercialização de todos os demais produtos. Exemplo, as padarias e açougues são grandes consumidores de energia, esse aumento nos custos de produção com esse item acaba sendo repassado aos consumidores. Também há problemas no transporte, pois muitas ciclovias, como as do rio Paraná, tiveram seus serviços suspensos pelo baixo volume de água, com isso, aumentou o transporte feito por caminhões que tem maiores custos logísticos”, explica o economista.

Edson ainda sugere o retorno do horário de verão como uma alternativa para ajudar o país a sair da crise. “Aproveitar melhor a luz solar é uma alternativa racional para economizar energia, e poderia ser uma das alternativas essenciais para o atual momento do país. Vale destacar que o horário de verão tem nos principais países do mundo”, diz.

Analisando o cenário, o docente ressalta também que a ausência de projetos governamentais aumenta ainda mais as dificuldades para solucionar o problema e a preocupação da população.

Podemos ter apagões?

O especialista coloca que apesar da crise hídrica estar em estado de atenção, a chegada de um maior volume de chuvas minimiza a chance de apagão por falta de energia. Por isso, seria praticamente nulo até o mês de setembro de 2022.

“Entretanto, possíveis problemas sempre ocorrem nos meses de outubro e novembro, que são quando os reservatórios chegam ao limite mínimo. Por isso, é importante e necessário se fazer o planejamento, inclusive nos períodos mais chuvosos, para garantir a energia no período de redução no volume de chuvas”, finaliza.

##

Sobre o Centro Universitário Módulo – Fundado em 1988, o Centro Universitário Módulo é a maior e mais tradicional instituição de ensino superior do Litoral Norte de São Paulo. Mantém cursos de graduação, além de cursos de pós-graduação e de extensão, e ainda, dispõe dos campi Centro e Martim de Sá. Pertence ao grupo Cruzeiro do Sul Educacional, um dos mais representativos do País, que reúne instituições academicamente relevantes e marcas reconhecidas em seus respectivos mercados, como Universidade Cruzeiro do Sul e Universidade Cidade de São Paulo – Unicid (São Paulo/SP), Universidade de Franca – Unifran (Franca/SP), Centro Universitário do Distrito Federal – UDF (Brasília/DF, Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio – Ceunsp (Itu e Salto/SP), Faculdade São Sebastião – FASS (São Sebastião/SP), Centro Universitário Módulo (Caraguatatuba/SP), Centro Universitário Cesuca (Cachoeirinha/RS), Centro Universitário da Serra Gaúcha – FSG (Bento Gonçalves e Caxias do Sul/RS), Centro Universitário de João Pessoa – Unipê (João Pessoa/PB), Centro Universitário Braz Cubas (Mogi das Cruzes/SP) e Universidade Positivo (Curitiba e Londrina /PR), além de colégios de educação básica e ensino técnico. Visite: www.modulo.edu.br

Posts Relacionados

Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre são os destinos mais buscados no verão na região sul

Imigrantes no esporte: lugar de mulher é onde ela quiser

Quais empresas precisam ter um médico do trabalho?

Aplicativo de comida vai distribuir R$ 1 milhão em cashback neste ano

Diário da Cidade

O Fantástico Mundo Avon: a chegada no BBB 22

Diário da Cidade

SumUp tem 44 vagas abertas no Brasil

Diário da Cidade

Órfãos da pandemia, adotantes e cuidadores têm atendimento psicanalítico gratuito em todos os estados do Brasil

Diário da Cidade

Cólera, febre tifoide e hepatite A: veja a epidemia silenciosa que o Brasil enfrenta por falta de saneamento

Diário da Cidade

Influencers acionam justiça para reaver contas suspensas pelo Instagram

Diário da Cidade

Grupo Boticário usa embalagem mais sustentável e evita descarte de quase 1 tonelada de plástico

Meu Financiamento Solar mostra três maneiras para economizar energia elétrica no verão

Anvisa libera CoronaVac para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos

5 dicas para não errar na hora de comprar seu veículo seminovo ou usado

Projeto fitness: cresce busca por aulas de esportes

Janeiro Branco: saiba como a ansiedade afeta sua segurança no trânsito

Operadores de telemarketing têm risco elevado de perder a audição

INSS suspende temporariamente perícias médicas

Avon renova patrocínio para o Big Brother Brasil 22

Mobilização: Sicoob cria campanha nacional SOS Bahia

Krav Magá na luta contra o bullying