Blumenau festeja a 25ª edição do Stammtisch

289
Stammtisch
Stammtisch

No longínquo ano 2000 uma tradição nasceu em Blumenau e neste sábado ela chega à sua 25ª edição. Desde aquele abril, com exceção de apenas duas ocasiões, a Rua XV de Novembro se tornou o palco da celebração da amizade, sempre bem servida de comida boa e regada a chope, como manda o figurino das festas blumenauenses.

O tempo passou, uma coisinha mudou, outra acolá, mas a essência continua a mesma: reunir os amigos, comer, beber, ouvir boa música e somar mais algumas histórias para serem relembradas nos próximos “stamms”.

Para marcar o Stammtisch de prata, o Santa elencou 25 curiosidades sobre a festa herdada dos alemães, mas adaptada ao jeito brasileiro de celebrar e com a ajuda de um dos organizadores do evento, Norberto Mette, resgata um pouquinho da história do encontro.


O Stammtisch tem 25 edições, mas ocorre há 17 anos. Isso porque começou no ano 2000 e até 2007 eram duas edições por ano: uma em março e outra em setembro.


A ideia de juntar rodas de amigos foi do agitador cultural blumenauense Horácio Braun, morto em 2007, e reuniu 17 grupos. A ideia inicial era que o encontro fizesse parte das comemorações dos 150 anos de Blumenau e foi realizada pelo Blumenau Convention & Visitor Bureau e pela CDL.


A primeira edição foi realizada na Rua XV de Novembro, entre as ruas Nereu Ramos e Ângelo Dias, e reuniu 17 grupos.


Uma chuva torrencial atrapalhou a primeira edição, que acabou cancelada por causa do mau tempo e foi realizada em novembro do ano 2000.


Por duas vezes o Stammtisch foi realizado na Rua Alberto Stein, em frente ao Parque Vila Germânica, mas a falta de espaço e de sombra fez com que a Rua XV fosse estabelecida como a casa do Stamm.


O encontro de amigos está sempre se renovando com novos grupos todos os anos. Em 2016, há 40 novatos participando da 25ª edição.


É uma festa para todas as idades, mas as crianças precisam da companhia de responsáveis e os menores de 18 anos não podem beber.


Apesar da tradição germânica do Stammtisch, qualquer tipo de comida é bem-vinda e a escolha é dos grupos. A maioria opta pela praticidade e em 2016 cerca de 80% das confrarias optaram pelo entrevero.


Tem espaço até para quem não faz parte ou simpatiza com nenhum grupo. A área gastronômica oferece comidas e bebidas para quem quer passear pelo Stamm apenas para curtir ou conhecer a festa.

10ª
Não é possível montar uma estrutura ou utilizar som mecânico, mas a música ao vivo é liberada. E o ritmo também: todos os estilos são bem-vindos.

11ª
Foi o primeiro Stammtisch “de rua” no mundo. De acordo com Norberto Mette, na Alemanha o stammtisch é realizado dentro de choperias, por alguns grupos que se reúnem. O stamm de Blumenau, na rua, foi pioneiro e não havia evento similar no mundo quando foi criado.

12ª
Na terceira edição o nome mudou para “strassenfest mit stammtischtreffen”, algo como “festa de rua com encontro de mesa” em português, justamente pelas características diferentes dos eventos alemães, com grupos de amigos de todo tipo.

13ª
De tão tradicional, o Stammtisch passou a fazer parte do calendário oficial de eventos da Secretaria de Turismo de Blumenau.

14ª
De todos os eventos criados em Blumenau, o Stammtisch foi o que mais inspirou festas similares pelo Vale e até por outros estados. Balneário Camboriú, Itapema, Joinville, Brusque, Ibirama, Pomerode e até Curitiba já fizeram os seus “stamms”.

15ª
Os grupos Abobó e Bela Vista Country Club participam do Stammtisch desde a primeira edição.

16ª
O grupo mais novo a participar é o ANB Nordestinos, que foi o último a se inscrever e garantir vaga para a sua primeira participação.

17ª
Sendo a terra da cerveja artesanal, às vezes alguns grupos decidem levar a própria cerveja, como Schnaps Klub, que já levou o chope fabricado por um dos integrantes e, inclusive, forneceu a bebida para outras confrarias.

18ª
Uma equipe de garis da URB ajuda a manter o controle da limpeza durante a festa, recolhendo e depositando em contêineres o lixo que vai sendo acumulado. A Rua XV de Novembro é lavada e completamente liberada em média duas horas depois do fim da festa.

19ª
Muitos grupos gostam de fazer camisetas personalizadas como forma de identificar os integrantes e registrar o evento, mas não é obrigatório.

20ª
O Stammtisch ajuda a movimentar a economia local. Açougues, supermercados, cervejarias e distribuidoras de bebidas, além dos aluguéis de tendas e vans de transporte — que muitos grupos contratam para que os participantes não precisem dirigir.

21ª
Em 2011 o Stammtisch registrou o maior número de inscritos de sua história: 315 grupos.

22ª
O número de grupos de 2011 dificilmente se repetirá, isso porque a organização acredita que terá de reduzir o número de vagas já que os grupos estão aumentando. A média de integrantes, que já foi de 20 pessoas, hoje é de 35, com grupos chegando a até cem integrantes.

23ª
Neste ano, a expectativa é de que 18 mil pessoas passem pela Rua XV de Novembro durante o Stammtisch. Só nos grupos são cerca de 10 mil pessoas, enquanto o público circulante gira em torno de 8 mil pessoas.

24ª
Como o espaço é limitado, é comum que alguns grupos sejam rejeitados e entrem numa fila de espera para a próxima edição, já que sempre ocorre a desistência de alguma confraria. Este ano seis grupos acabaram de fora.

25ª
Na quinta edição, o Stammtisch recebeu a visita do repórter Maurício Kubrusly, que apresentou a festa para todo o Brasil no quadro “Me Leva, Brasil”, do programa Fantástico.

25º STAMMTISCH

– Onde: Rua XV de Novembro
– Horário: das 9h às 16h. A partir das 6h a via é liberada para que os grupos iniciem a organização das tendas
– Quanto: gratuito
– Espaço gastronômico: para quem não tem confraria, há três pontos de venda de comida e cervejarias pela Rua XV de Novembro
– Trânsito: será bloqueado na Rua XV de Novembro. A previsão de liberação é às 20h.