Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
ENTRETENIMENTO

Fotógrafa de Santa Catarina apresenta exposição em São Paulo

‘Chegança – um lugar ao sol, um lugar ao sul’, de Sirli Freitas, foi desenvolvida ao longo de cinco anos e pode ser visitada até 3 de dezembro no Museu da Imigração do Estado de São Paulo

 

A artista, pesquisadora e fotojornalista Sirli Freitas ocupa uma das salas do Museu da Imigração do Estado de São Paulo com a exposição ‘Chegança – um lugar ao sol, um lugar ao sul’. A mostra, que reúne fotografias, vídeo-cartas e instalação, pode ser visitada até 3 de dezembro, na capital paulista.

Desenvolvida ao longo de cinco anos, a mostra retrata o processo da imigração haitiana em Santa Catarina, principalmente da comunidade haitiana na cidade de Chapecó, que fica na região Oeste de Santa Catarina. “Tentei registrar, através das imagens e das vídeo-cartas, esse processo sensível que é sair de seu país de origem e fazer morada longe de casa. Chegança fala sobre chegar, unir forças com os seus e permanecer”, compartilha a fotógrafa.

O trabalho iniciado em 2018 aborda três eixos temáticos, que segundo a pesquisadora, foram elencados pelos haitianos como fundamentais no processo de imigração: a comida, a espiritualidade e a beleza.

“Chegança busca trazer, através da arte e da cultura, um capital social, ético e estético, para um diálogo pleno com a sociedade e propõe ainda um novo olhar sobre as pessoas retratadas. Tanto que muito mais do que uma exposição temporária de uma artista do interior, numa das principais capitais do Brasil, a mostra é um documento histórico-cultural”, completa.

 

Sobre a artista

Formada em Comunicação Social pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó – Unochapecó, com Especialização em Letras, Língua e Literatura pela mesma instituição, Sirli Freitas atua como fotojornalista e produtora cultural. Contemplada pelo Prêmio Marc Ferrez de Fotografia através da Funarte, em 2021, integrou, no mesmo ano, a primeira “Coleção de Minizines Só Edições”, que destacou a pesquisa de 10 fotógrafos brasileiros. É uma das idealizadoras do Primeiro Museu Multimídia Kaingang de Santa Catarina, reconhecido pelo Iphan na 35ª edição do Prêmio Rodrigo Mello Franco de Andrade e do projeto “A Casa é um mar cheio de portos”, onde registra o processo de migração a partir de diferentes eixos. Seu trabalho e pesquisa fotográfica é um mergulho em culturas que estão às margens da sociedade, e está diretamente ligado à cultura dos povos indígenas e caboclas. Em 2023 produziu seu primeiro curta-metragem, Paraíso Kaingang, com previsão de estreia em 2024 e o seu próximo projeto fotográfico, Esses campos que me habitam, retratando os caboclos do Oeste Catarinense.

Posts Relacionados

Expoflora inicia venda de ingressos promocionais em número limitado

Bruno Mello anima happy hour no Mercadão de Coqueiros, em Florianópolis

Sete shows musicais agitam o Jurerê OPEN no final de semana

Dia da Obesidade (4/03): exposição fotográfica reúne 12 histórias de superação em Florianópolis

Reabertura do Main Room do Warung, o famoso ‘pistão’, será em 29 de março com Vintage Culture e Paul Kalkbrenner

Cantora Dani Kramar grava DVD ‘Estrelar’ nesta quarta-feira, na SHED Club, em Balneário Camboriú

4 dicas para montar um bar em casa

Sono é importante para promover saúde física e mental

Orquestra Filarmônica Catarinense divulga 41 músicos pré-selecionados para seu corpo fixo

Tetto BC tem carnaval e jazz no final de semana