Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

Jovem catarinense participa de visita técnica ao Vale do Silício

Tecnologia se cria, copia, recria e testa. Esse foi um dos aprendizados – que pode ser aplicado no agro catarinense – da jovem produtora rural Carine Babick, de Itapiranga (SC), durante a missão técnica ao Vale do Silício. Carine foi representante da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC) e esteve acompanhada pelos outros dois vencedores do CNA Jovem 2019, Paula Hofmeister, representante de Pedras Altas (RS), e Pedro Teixeira, representante de Petrópolis (RJ), e também pela coordenadora do CNA Jovem, Fernanda Nonato. A viagem foi a premiação pelo destaque que tiveram ao longo do programa de desenvolvimento de lideranças do Sistema CNA/SENAR.

Eles finalizaram a viagem no último fim de semana, após conhecer diversas empresas e profissionais de inovação e tecnologia no Vale do Silício, o principal centro de inovação tecnológica e empreendedorismo do mundo. Durante a imersão de cinco dias, os jovens tiveram contatos com especialistas de empresas globais. Para Carine, que conquistou o prêmio CNA Jovem 2019 como destaque individual com Melhor Potencial de Liderança, a viagem foi importante para conhecer diferentes realidades e maneiras de pensar o futuro da relação entre o uso da tecnologia com os seres humanos. “Isso deve facilitar e otimizar o tempo para que possamos aproveitar nosso tempo livre, produzir mais, de forma eficiente e humanizada”, frisou.

A jovem salientou que independentemente da tecnologia, o mais importante não é a ferramenta que se tem, mas como é utilizada. “A geração de dados é fundamental para validar os processos e garantir que erros não se repitam. As empresas de maior importância em nível mundial não são mais as detentoras de petróleo ou outros bens materiais. O produto mais valioso hoje são os dados que essas empresas detêm. O fato de possuir esses dados, do que gostamos de ouvir, ler, ver, fazer, comer, conhecer, permite que o serviço prestado seja cada vez mais individualizado, com foco na experiência do cliente”, relatou.

Para o agronegócio, Carine citou a valorização das pessoas. “Apesar de toda a tecnologia, os seres humanos são únicos e não podem ser copiados. Para o nosso agro catarinense se aplica a mesma questão: por detrás de cada grande feito existem pessoas e grandes feitos são para pessoas. A diversidade cultural, étnica, de origens, gostos e cores é o que estimula a criatividade para inovação. As pessoas são o fator mais importante desse processo”, analisou.

Durante a imersão, os jovens tiveram a oportunidade de trocar experiências com especialistas em inovação, inteligência artificial, automação e mobilidade que desenvolvem e investem negócios criativos para resolver problemas do dia a dia com soluções disruptivas, como o Netflix, Google e a Salesforce. Ainda na programação, eles visitaram as Universidades de Stanford e de Berkeley, além da sede do Google. Assistiram a palestras sobre o futuro da alimentação, marketing digital, inovação corporativa, futuro da educação e conheceram inovações que estão sendo trabalhadas para o setor agropecuário no caminho da digitalização, automação e tecnificação do agronegócio nacional.

Para os jovens, a experiência serviu, ainda, para obter informações relevantes sobre como começar a inovar mudando a forma de pensar dos produtores no sentido de se preparar para a transformação dos modelos de produção e consumo e, assim, desenvolver iniciativas que poderão ser adaptadas ao agro brasileiro e influenciar na produção de alimentos. “A maneira como os desenvolvedores e as empresas se importam com as pessoas que serão beneficiadas pelas inovações foi o mais impactante para mim”, salientou Carine.

            A metodologia utilizada no CNA Jovem auxilia na resolução de problemas do agro a partir de soluções inovadoras. “Por isso precisamos conhecer o que há de mais inovador e estimular a cultura empreendedora dos jovens brasileiros. Percebemos que as empresas da região do Vale do Silício investem fortemente nas pessoas e seus negócios para atender um mercado de nichos e não mais de massa. É preciso nos adaptarmos a essa nova tendência de mercado, e o agro não pode ficar para trás nesse novo cenário”, analisou Fernanda Nonato.

Related posts

Operação Catarata Zero promove mais de 15 mutirões de cirurgia em Barra Velha

Primeira corrida de praia AMA Navegantes vai acontecer em maio

CREAS recebe veículo do Estado

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: