Lufthansa cancela quase 900 voos por causa de greve

166

Paralisação de funcionários de seis aeroportos alemães afetará 87 mil passageiros da companhia aérea nesta quarta-feira. Voos que têm o Brasil como destino ou origem estão confirmados.

A Lufthansa anunciou o cancelamento de 895 de 1.500 voos em seis aeroportos da Alemanha nesta quarta-feira (27/04) por causa de uma greve de funcionários públicos filiados ao sindicato Verdi. A empresa aérea afirmou que 87 mil passageiros serão afetados.
Em Munique, onde haverá greve durante todo o dia, apenas 90 voos estão confirmados e 545 foram cancelados. Em Frankfurt, onde a greve começa no início do dia e vai até as 15h (horário local), cerca de 500 voos vão decolar ou aterrissar e 350 foram cancelados.

Os voos que têm o Brasil como destino ou origem estão confirmados, de acordo com o site da Lufthansa. A empresa pede aos passageiros que verifiquem a situação de seu voo no site http://www.lufthansa.com/de/de/Ankunft-und-Abflug. É possível usar a opção “Flugnummer” (número do voo) para uma busca por voo e data.

A greve afetará ainda os aeroportos de Düsseldorf, Köln-Bonn, Dortmund e Hannover. A paralisação atingirá oficinas, controles de segurança e diversos serviços do aeroporto que são executados por funcionários públicos, como cargas, bagagens e bombeiros. A empresa aérea Air Berlin cancelou 43 voos, mas anunciou que o número pode aumentar.

O Verdi está exigindo um aumento salarial de 6% para cerca de 2,1 milhões de funcionários do serviço público alemão, além de um aumento de 100 euros por mês para trainees. A próxima rodada de negociações está prevista para esta quinta e sexta-feira. O Verdi rejeitou a proposta anterior, de 3% de aumento para um período de dois anos.

No ano passado, a Lufthansa e aeroportos alemães foram duramente afetados por diversas paralisações, que custaram à empresa cerca de 140 milhões de euros. Na conta não está incluída uma série de paralisações de pilotos, cuja disputa continua sem solução.

Um representante da Lufthansa afirmou que as constantes greves demonstram a “necessidade urgente” de regras mais rígidas para as disputas trabalhistas no setor de transporte aéreo da Alemanha.