Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

Marido se irrita com música gospel e mata mulher

A dona de casa Elisângela Aparecida Barbosa de Oliveira, 41, residente na cidade de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, foi vítima de homicídio. Segundo informações da Polícia Civil e do filho, o agressor foi o seu marido, com quem era casada há nove anos.

Pelos depoimentos de Jhonatan de Oliveira Moreira, 21, filho de Elisângela, o assassinato ocorreu com a irritação do homem, de 31 anos, de que sua mulher estava ouvindo música cristã contemporânea.

A irritação, também, teria ocorrido por algo que ele teria visto no computador pelo qual as músicas eram executadas. “Quando ele entrou, começou a falar que ela estava traindo, conversando com alguém, mas só estava escutando música”, disse o filho.

A ação se deu na região norte de Campo Grande, no bairro Vida Nova. A discussão, ainda, foi presenciada por dois filhos de Elisângela, da idade de 11 e 12 anos. Após levar um tiro no pescoço, a mulher foi socorrida por uma vizinha, mas não resistiu. O suspeito fugiu e deixou a arma utilizada no crime no local.

Segundo depoimento de um dos filhos, a família suspeitava de que Elisângela sofria agressões do marido, mas sempre procurava disfarçar. Ainda afirmou que, segundo ela, o marido usava drogas.

“Vizinhos tinham falado, conversamos com ela, mas ela nunca se abriu conosco. Vimos marcas, hematomas, mas ela nunca falou a verdade. Estamos conturbados, tristes, sem chão. Por mais que a gente sabia que isso ia acabar acontecendo, é devastador pra todos”, afirmou.

O filho mais velho ainda afirmou que, por questões religiosas, a mãe nunca aceitou fugir. “Falava que era culpa da droga, maldita droga. Falava que ele jamais faria isso com ela, que podia bater, mas jamais iria matar. A esperança dela era que ele saísse da droga”.

De acordo com informações da Polícia Militar divulgadas pelo G1, vizinhos chegaram a denunciar a violência doméstica. Mesmo assim, durante a ocorrência em maio do ano passado, Elisângela negou que estava sendo agredida.

Posts Relacionados

Agência Nacional de Águas inclui Santa Catarina no projeto Monitor de Secas

História em quadrinhos valoriza cultura italiana do sul do Brasil

Prazo para inscrições no Programa de Pesquisa Universal termina dia 23 de setembro

Recicla Xanxerê coleta mais de 6 toneladas de produtos

Setembro amarelo e o tabu com o tema

Projeto de Dário torna inafiançável crime relacionado a pedofilia

Novo protocolo sanitário define regras para retorno de esporte recreativo em SC

Alesc aceita segundo pedido de impeachment de governador e vice

Movimento MP Mulheres SC lamenta “prática de fazer graça com a violência doméstica”

Grupo Pereira dobra as doações do tradicional Troco Solidário

CartonDruck doa mais de 1,3 milhão de copos descartáveis de papel para hospitais de Santa Catarina

A EFICÁCIA DA GRATIDÃO pela psicóloga Sandra Morais

Lei institui Delegacia Virtual da Mulher em Santa Catarina

Diário da Cidade

Produtor artesanal catarinense vai expandir o mercado para todo o território nacional

Cuidados simples evitam a entrada de escorpiões em casa

Diário da Cidade

Governo do Estado entrega nova frota de ônibus escolares

Governo realiza chamada de 36 engenheiros para a Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade

Santa Catarina passa a ter ligação aérea com Miami no transporte de cargas

Caixa credita hoje saque emergencial do FGTS para nascidos em junho

Contratação de 350 temporários para a transformação digital é inconstitucional, diz ANATI

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: