Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Mendes ironiza ação da AGU no Supremo: “Pode recorrer ao papa e ao diabo”

Gilmar Mendes também criticou decisão tomada nesta segunda-feira por Waldir Maranhão

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes criticou nesta terça-feira (10) a nova tentativa do governo de anular o impeachment da presidente Dilma Rousseff que tramita no Congresso.

Questionado sobre o que ele achava da decisão do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, de entrar com um novo recurso no STF, ele ironizou a decisão. “Ah, eles podem ir para o céu, o papa ou o diabo”, afirmou.

Os ministros do Supremo têm dado sinais de que não estão dispostos a suspender a tramitação do impeachment. Na véspera da votação no plenário da Câmara, o governo também entrou com recursos na Corte, mas foi derrotado pela maioria do plenário.

Gilmar Mendes também ironizou a decisão do presidente em exercício da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de, no mesmo dia, voltar atrás da decisão de anular a votação do impeachment na Casa. “É interessante, né (risos)? Hoje eu vi uma notícia dizendo que isso (a decisão) foi regado a muita pinga, vinho. Isso até explica um pouco, né? É, tá muito engraçado isso. Estranho, né? Muito estranho”, disse.

Posts Relacionados

O que é a Síndrome da Cabana?

Dor de cabeça pode ter relação com a coluna, entenda

Fort Atacadista inaugura 58ª loja com investimento de R$ 120 milhões

Do topo ao fundo: 11 times que já estiveram em alta, mas estão sem divisão nacional em 2024

Embora e-commerce tenha perdido tráfego em dezembro, segmento turístico continua aquecido

Primeiro dia da 6ª Conferência Distrital de Cultura reúne agentes culturais para apresentação de demandas da classe

Revisão da vida toda: STF reinicia deliberações em uma nova etapa de análises

Capacitismo: atletas colegas de Vinicius Rodrigues explicam como evitar o preconceito que atinge pessoas com deficiência

Tecnologia na gestão escolar: quais as vantagens para a administração de instituições de ensino

O que é necessário para empreender em 2024?