Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
ENTRETENIMENTO

O oxigênio da vida, por Celina Moraes

Celina Moraes, escritora*

 

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância. Um dia, olharam para a estrada à frente e viram uma bifurcação: de um lado, uma placa indicando a rota conhecida; do outro, um livro abandonado.

 

Bifurcados, só tinham uma certeza: o caminho conhecido havia sido percorrido por muitos de seus outros amigos, onde alguns se perderem e outros perderam o oxigênio. Os três sonhavam alto: cursar uma faculdade. Diploma não era futuro, era delírio. Como incluir na dispensa de casa um item tão luxuoso como estudo? Das 24 horas do dia, 14 trabalhavam. Remuneração baixa, mas vital para o sustento das famílias.

 

Era preciso coragem de guerreiro para correr atrás de escassas oportunidades e resiliência de bambu para colecionar nãos. Entraram para a faculdade. Nos bancos escolares, agarravam-se aos livros para abandonar a realidade que, desde o berçário, assegura a alguns a evolução e a outros a submissão. Na árdua jornada, a fome esmagava o estômago e o sono abatia o corpo.

 

Fortaleciam-se na leitura de biografias, repletas de histórias de sucessos conquistadas por escaladas de fracassos. O que a realidade negava, os sonhos consentiam. Jamais desistiram de erguer o canudo no pódio da formatura. Eram escoltados pelo vigor da juventude, onde os olhos se perdiam no imenso horizonte de vida.

 

O sol energizava o caminho da persistência e a chuva limpava a poluição do desânimo. Final dos anos 2000, três amigos subiram ao pódio: um erguia o canudo de Ciência da Computação, outro de Comunicação e o outro de Administração de Empresas. Quando se viram bifurcados, decidiram seguir pela estrada do livro abandonado. No caminho, encontraram o “Diário de Bitita”, de Carolina Maria de Jesus (1914-1977), que foi catadora de lixo, moradora de favela e tornou-se escritora de sucesso traduzida para vários idiomas: “Eu passava os dias lendo ‘Os Lusíadas’, de Camões, com o auxílio do dicionário. Eu ia intelectualizando-me, compreendendo que uma pessoa ilustrada sabe suportar os amarumes da vida”.

 

Eles sabiam aonde queriam chegar. Escolheram o melhor GPS para os guiar até o destino escolhido. Eles orientam. Eles consolam. Eles guiam. Jamais te abandonarão. Carolina os catou nos lixos e eles acalmavam sua dor. Estarão sempre perto de você para te receber de páginas abertas. Livros, o oxigênio da vida. Respire-os.

 

(*) Formada em Letras, Celina Moraes é escritora e cronista. Autora dos romances “Jamais subestime os peões” e “Lugar cheio de rãs”, que foi vencedor do Prêmio “Lúcio Cardoso” em 2010 pelo 3º lugar no concurso internacional de literatura promovido União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro (UBE-RJ). Ainda teve o conto “Rumo ao topo numa canoa quebrada” selecionado para compor a antologia da UBE, “Contos: História de Amor e Dor”.

Posts Relacionados

COVID-19: “Os indígenas fazem parte do povo que o Estado deixa morrer”, diz especialista

diariodacidade

Carlos Dafé promove live solidária para ajudar artistas e moradores de rua

diariodacidade

Projeto Magic Drive-in estreia nesta sexta-feira, dia 10, com Independence Queen

diariodacidade

Motivação e autoestima em alta para o Enem

diariodacidade

John Mueller apresenta Canções e Influências em live show no dia 19 de julho

diariodacidade

De olho na retomada, Co.W. Coworking atualiza protocolos e modelo de negócio

diariodacidade

Livro de ficção narra romance durante os Jogos Olímpicos de 2020 sem a presença da COVID-19

diariodacidade

Busca por sorriso perfeito aumenta procura por odontologia estética em Camboriú

diariodacidade

Mostra Gastronômica Balneário Camboriú Convida à Mesa terá 24 restaurantes e opção delivery

diariodacidade

Vinhos que combinam com os sabores juninos

diariodacidade

Professor cria ação solidária para ajudar alunos da rede pública no Enem

diariodacidade

Nos 40 anos sem Vinicius de Moraes, obra do “Poetinha” é revisitada em três lives

diariodacidade

Prêmio Catarinense de Cinema 2020: inscrições abrem na segunda-feira

diariodacidade

Como frequentar a praia com segurança após a flexibilização da quarentena

diariodacidade

A era da selfie: preocupação com sorriso aumenta para sair “bem” na foto

diariodacidade

“Uber da lavagem” inicia operação em Balneário Camboriú

diariodacidade

Da vaquinha virtual à NASA Conheça a jovem que precisou de doações para estudar no exterior

diariodacidade

Decanter promove curso com degustação online de vinhos

diariodacidade

Dia de Combate à Homofobia: Especialista destaca conduta, crime e pena

diariodacidade

Karsten lança toalha com tecnologia pioneira Antimicrobiana

diariodacidade

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: