Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES Noticia BR Notícias

O vírus deixou o capitalismo brasileiro nu.

O vírus deixou o capitalismo brasileiro nu.

Desde o dia (27/03) o capitalismo brasileiro ficou nu. Em muitas cidades, houve carreatas repetindo a homicida exortação de que o Brasil não pode parar.

Os burgueses, protegidos dentro dos carrões, exigem que seus empregados voltem a trabalhar para gerar riqueza.
Bingo! Epifania! Revelação! O que gera riqueza não é o capital. É o trabalho!

A burguesia enfim percebeu que o capital imobilizado em máquinas, equipamentos, estoques e sistemas de computador não gera riqueza. Sem o trabalho dos empregados o capital é inútil. Tanto quanto os capitalistas, essa classe parasitária que – sem nada produzir – vive da exploração dos trabalhadores.

Só há riqueza porque houve exploração do trabalho de alguém. O que gera o acúmulo de capital é a parcela não paga sobre o trabalho humano. Essa parte não remunerada do trabalho dos empregados (mais-valia) é acumulada pelos empregadores sob a forma de capital.
Os que desfilaram buzinando fizeram verdadeiro striptease ideológico. Descortinaram para todos como funciona o capitalismo. Exigiram que os governos assegurem e garantam o que entendem ser seu direito, o direito a explorar, o direito a ficar com a mais-valia produzida por seus empregados.

Morrerão milhares de pessoas? Certamente sim. Mas isso está dentro das regras de um jogo chamado capitalismo. Existe um exército de reserva a ser mobilizado para ocupar as vagas dos que fenecerem. O que não admitem – vampiros – é que seus lucros e capital sejam comprometidos por decisões estatais que imponham o isolamento social. Entendem ter o direito de sugar até a última gota de sangue dos trabalhadores, antes que morram ou se tornem inúteis para a exploração.

Para a parcela da burguesia que nelas buzinou histericamente ou que apoiou as carreatas, os trabalhadores são descartáveis, substituíveis, como peças de uma diabólica máquina de moer pessoas, para gerar excedentes financeiros a quem os explora. O Brasil não pode parar, assim, constitui-se em eufemismo para a exploração do trabalho humano, prestado sob subordinação, que não poderia ser interrompida.
O capitalismo brasileiro está nu. Uma feia, obscena, depravada, nudez. Necrófilos buzinaram, perversos, excitados – e não foram poucos – em defesa de seus privilégios, de seus interesses de classe. São classe exploradora em-si e para-si. Desnudaram-se, deixaram à mostra, impudicos, suas obesidades, reais e metafóricas, em defesa do direito a explorar o trabalho alheio. Pretendem que os trabalhadores se apinhem nos insalubres transportes coletivos, contaminando-se, para produzir os excedentes que engordarão ainda mais o capitalismo brasileiro. Os flácidos organizadores das carreatas orientaram os participantes a não saírem de seus veículos. Não são bestas. Temiam a contaminação. Mas não se importam se seus empregados se expuserem. O nome do jogo é capitalismo.

Ficou evidente, com as carreatas, o desejo dos proprietários dos meios de produção e da quase-classe, sem deles ser proprietária (a classe média), de apoiar o sistema de exploração vigente. Esperemos que a classe trabalhadora, estarrecida com a nua desfaçatez dos exploradores tome consciência do poder que por óbvio tem, durante e, principalmente, depois de controlada a pandemia.

Por Wilson Ramos Filho

 

 

Posts Relacionados

Hospital Marieta inicia vacinação de profissionais da linha de frente nas UTIs Covid

Mercado Livre lança programa para formar jovens do entorno de sua operação em Gov. Celso Ramos (SC)

Busca por emprego ganhou força no segundo semestre de 2020

Hospital Marieta recebe novo equipamento angiógrafo

Brasil tem 16 mil novos casos de câncer de colo do útero por ano

67% da população vê vacina como principal estímulo para voltar a frequentar eventos, diz pesquisa

É hora de pagar o IPVA: 6 dicas que podem te ajudar a entender como pagar o imposto e economizar

Primeiro a tomar a vacina em SC pede que população se imunize “em nome do amor”

Funcionário que recusar vacina após oferta da empresa poderá ser demitido por justa causa, avalia advogado

Em 2020 quase 400 mil cestas de alimentos são distribuídas aos povos e comunidades tradicionais

INSS: o que muda para quem quer se aposentar em 2021

Casal chapecoense atinge teto de faturamento do MEI em nove meses

Brasileiros quebram recorde mundial de saltos de Bungee Jump realizados em um dia

Motorista embriagado causa acidente na Estrada da Rainha

Diário da Cidade

Academia Municipal do Pontal Norte estabelece novas regras de funcionamento

Coollabore Art Park une criatividade, inovação e arte de rua em projeto inédito em Itajaí

Stone leva Camboriú à Times Square

Demissões em bares e restaurantes atingiram em média 37% das equipes; 39% das empresas estão com os impostos em atraso

Procedimento inédito para tratamento de câncer é realizado no estado

Diário da Cidade

Tinta, tela e pincel: conheça André Baía e a técnica que ajuda cegos a enxergarem através da arte.

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: