Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Papa sinaliza ordenação feminina na Igreja Católica em breve

Uma Comissão que estude a questão do diaconato às mulheres e mais clareza sobre os motivos pelos quais as consagradas não podem proferir a homilia durante a Missa.

São duas das muitas e delicadas questões que o Papa respondeu ao receber em audiência as religiosas da União das Superioras maiores (Uisg) na manhã desta quinta-feira, (12/05), na Sala Paulo VI.
No longo diálogo improvisado, o Papa convidou todas as consagradas a evitar os riscos do “feminismo” e da “servidão” na Igreja, ao invés do “serviço”.

Não é de hoje que o Magistério do Papa Francisco celebra o “gênio feminino” na Igreja. E elas pedem ao Papa para ter mais expressão. Foram diversas as perguntas, divididas em quatro partes: concretas, diretas, no estilo de Francisco. Questões que as consagradas do mundo inteiro advertem ser urgentes e para as quais pedem respostas claras.

Primeira pergunta: a presença das mulheres nos processos decisórios da Igreja. Francisco concorda com um aumento das responsabilidades em vários níveis por parte de personalidades femininas, sim, mas nos casos em que a jurisdição não esteja ligada à ordem sacra. Isto por que – destaca – o olhar de uma mulher pode contribuir para o enriquecimento de uma decisão: seja na fase de elaboração, seja na de execução.

Diaconato permanente às mulheres
Ao destacar que elas já são protagonistas no serviço aos pobres e doentes, na catequese e em muitos outros ministérios eclesiais, as consagradas apresentam a questão da abertura do diaconato permanente às mulheres, com referência à Igreja primitiva.

O Papa recordou que o antigo papel das diaconisas ainda hoje não é muito claro, e se disse disponível a criar uma Comissão para estudar a questão.

Mulheres e homilia
As religiosas também perguntaram ao Papa sobre a possibilidade de proferir a homilia durante a Missa. O Papa distinguiu entre a pregação durante uma Liturgia da Palavra – que pode ser feita sem dificuldade por uma mulher, consagrada ou leiga – da Liturgia eucarística, na qual a homilia é ligada à presidência da celebração, que é própria do sacerdote.

Além disso, Francisco exorta a vigiar diante de duas tentações: aquela do feminismo – porque a mulher vive na Igreja com a alta dignidade que vem do Batismo – e aquela, por tantas vezes estigmatizada pelo clericalismo, que se percebe quando os sacerdotes pretendem guiar sozinhos as próprias paróquias, sem estimular a sinodalidade e a colaboração, respaldados por leigos que, por comodidade, deixam-se “clericalizar”.

Presença onde for decidido
Ao falar de uma melhor inserção das consagradas na vida da Igreja, o Papa auspicia que estejam presentes nas assembleias do dicastério dos religiosos e nas assembleias em que se debatem questões pertinentes a elas.

Posts Relacionados

Personalização de serviços e produtos: um diferencial competitivo para as empresas

Trabalhar viajando: saiba quais os países que abriram as fronteiras para o nomadismo digital

Accor mobiliza esforços em apoio ao Rio Grande do Sul

Tecnologias brasileiras terão lugar em feira têxtil na Argentina

Justiça condena empresa de laticínios a pagar adicional de insalubridade. Entenda como funciona o benefício

Diário da Cidade

Plenário do CFC prorroga prazos para auxiliar profissionais de contabilidade do RS

Rinite e asma lideram ranking de doenças respiratórias dos brasileiros. Como saber a diferença entre as duas?

Médicos alertam para risco de distúrbio na menopausa causado pela lipedema

Farmácias Nissei transformam mais de 400 lojas em pontos de doação para vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul

Feedback, check out, business: ranking revela os termos do vocabulário corporativo mais pesquisados pelos internautas