Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Papa sinaliza ordenação feminina na Igreja Católica em breve

Uma Comissão que estude a questão do diaconato às mulheres e mais clareza sobre os motivos pelos quais as consagradas não podem proferir a homilia durante a Missa.

São duas das muitas e delicadas questões que o Papa respondeu ao receber em audiência as religiosas da União das Superioras maiores (Uisg) na manhã desta quinta-feira, (12/05), na Sala Paulo VI.
No longo diálogo improvisado, o Papa convidou todas as consagradas a evitar os riscos do “feminismo” e da “servidão” na Igreja, ao invés do “serviço”.

Não é de hoje que o Magistério do Papa Francisco celebra o “gênio feminino” na Igreja. E elas pedem ao Papa para ter mais expressão. Foram diversas as perguntas, divididas em quatro partes: concretas, diretas, no estilo de Francisco. Questões que as consagradas do mundo inteiro advertem ser urgentes e para as quais pedem respostas claras.

Primeira pergunta: a presença das mulheres nos processos decisórios da Igreja. Francisco concorda com um aumento das responsabilidades em vários níveis por parte de personalidades femininas, sim, mas nos casos em que a jurisdição não esteja ligada à ordem sacra. Isto por que – destaca – o olhar de uma mulher pode contribuir para o enriquecimento de uma decisão: seja na fase de elaboração, seja na de execução.

Diaconato permanente às mulheres
Ao destacar que elas já são protagonistas no serviço aos pobres e doentes, na catequese e em muitos outros ministérios eclesiais, as consagradas apresentam a questão da abertura do diaconato permanente às mulheres, com referência à Igreja primitiva.

O Papa recordou que o antigo papel das diaconisas ainda hoje não é muito claro, e se disse disponível a criar uma Comissão para estudar a questão.

Mulheres e homilia
As religiosas também perguntaram ao Papa sobre a possibilidade de proferir a homilia durante a Missa. O Papa distinguiu entre a pregação durante uma Liturgia da Palavra – que pode ser feita sem dificuldade por uma mulher, consagrada ou leiga – da Liturgia eucarística, na qual a homilia é ligada à presidência da celebração, que é própria do sacerdote.

Além disso, Francisco exorta a vigiar diante de duas tentações: aquela do feminismo – porque a mulher vive na Igreja com a alta dignidade que vem do Batismo – e aquela, por tantas vezes estigmatizada pelo clericalismo, que se percebe quando os sacerdotes pretendem guiar sozinhos as próprias paróquias, sem estimular a sinodalidade e a colaboração, respaldados por leigos que, por comodidade, deixam-se “clericalizar”.

Presença onde for decidido
Ao falar de uma melhor inserção das consagradas na vida da Igreja, o Papa auspicia que estejam presentes nas assembleias do dicastério dos religiosos e nas assembleias em que se debatem questões pertinentes a elas.

Posts Relacionados

População venezuelana está preparada para contribuir com economia do Amazonas, revela pesquisa divulgada pelo ACNUR e Pólis

Asia Shipping defende que 2022 será o ano da exportação brasileira

Rede Família transmite o maior evento de boxe da América Latina

Jovens disputam vaga na Seleção Brasileira de Bocha Paralímpica

Brasil produz 900 toneladas de erva-mate por ano e diversificação no mercado mostra universo muito além do chimarrão

99 pretende impactar 750 mil motoristas com ações de conscientização para o Maio Amarelo

Torneio de golfe beneficente arrecada recursos para causa do câncer infantojuvenil no Brasil

Ipiranga lança “Na direção, seja amarelão” para promover Maio Amarelo

Falta de acesso e saneamento agrava pobreza menstrual no país

Para 42% dos jovens, redes sociais podem influenciar eleições e 96% acreditam na relevância das fake news