Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Para 42% dos jovens, redes sociais podem influenciar eleições e 96% acreditam na relevância das fake news

Os dados são de uma pesquisa realizada pela rede Microcamp com 1518 jovens. Segundo o estudo, os jovens acreditam no poder das pesquisas de intenção de voto e dos debates na TV para angariar votos para candidatos. Mostra também os motivos do desinteresse dos jovens por política.

As redes sociais, a exemplo do que aconteceu em 2018, terão grande influência sobre a opinião das pessoas nas eleições deste ano, principalmente dos jovens. Da mesma forma, as notícias falsas (fakes news) podem mudar o rumo das intenções de votos. É o que mostra pesquisa realizada pela rede de escolas de informática Microcamp com 1518 alunos em 62 cidades onde a empresa mantém escolas.

Para 42,2% dos entrevistados, as redes sociais são um dos fatores que mais influenciam os eleitores na escolha de um candidato, enquanto as pesquisas de intenção de voto foram citadas por 20,1% deles e os debates na TV por 17,8%. Na sequência vem a família (8,5%), os influencers (6,9%), e amigos (4,5%).

As redes sociais também foram consideradas por 79,3% dos pesquisados como fonte de informação dos eleitores. Na hora detalhar as fontes que eles utilizam para se informar, o Google foi o mais citado (19%), seguido pelos sites de notícias (17,9%), Instagram (16,9%), WhatsApp (14,4%), TV (8,8%), Youtube (7,4%), Twitter (6,9), Facebook (4,3%), mídia impressa (3,5%), e por último o rádio (0,9%).

Para quase a totalidade dos entrevistados, o que também influencia o processo eleitoral, é a disseminação de notícias falsas (fake news). Somados os que acham que elas influenciam muito (83,4%) e os que assinalaram pouco (12,9%) são 96,3% que acreditam na relevância das fake news. Apenas 3,7% pensam que elas não influenciam.

Ainda sobre as pesquisas de intenção de voto, a maioria (51,6%) disse que não confia nelas, ainda assim, 53,2% acreditam que elas influenciam muito na escolha do candidato, enquanto 40,4% pensam que a influência é pouca.

Em relação aos debates dos candidatos na TV, para 64,4% dos entrevistados, eles são muito importantes, pouco importantes para 20,9% e insignificantes para 14,7%.

 

  • 79% acham que as redes sociais são fonte de informação dos eleitores
  • 54,1% são favoráveis ao voto obrigatório
  • 51,6% não confiam nas pesquisas e 53% acreditam que elas influenciam na escolha do candidato
  • 81,2% preferem o voto eletrônico
  • 64,4% acham os debates na TV importantes
  • 72,3% acham que a política influencia totalmente a vida das pessoas

A maioria dos entrevistados (63,3%) tem entre 16 e 20 anos, 24% acima de 25 anos, e 12,6% entre 21 e 25 anos de idade. O nível de escolaridade da maioria (68,3%) é o Ensino Médio, já 14,6% têm o ensino superior, 10,1% o Ensino Fundamental II, 5,1% o Técnico e 1,9% Ensino Fundamental I.

No período da pesquisa – entre os dias 02 e 09 de maio – a maioria (67,1%) tinha título de eleitor, 17,7% não tinham e não pretendiam tirar, apesar de já estarem aptos para isso, e 15,2% pretendiam tirar.

Perguntados se vão votar este ano, 67,1% disseram que sim, 20,5% não e 12,5% não decidiram ainda. Quanto ao voto ser obrigatório no Brasil, a maioria (54,1%) é favorável, enquanto 45,9% são contra.

Em relação ao sistema de votação, a maioria (81,2%) quer que o voto eletrônico seja mantido, contra 18,8% que preferem o retorno do voto em papel. Sobre as urnas eletrônicas, 62,8% confiam nela e 37,2% não.

À pergunta “Você acha que a política influencia a vida das pessoas”, 72,3% responderam totalmente, 24,8% um pouco, e apenas 3% acham que não influencia. Quanto à importância da participação dos jovens nas eleições, 75,9% acham muito importante, 14,1% pouco, 3,3% nada importante e 6,7% são indiferentes.

Apesar de a maioria admitir a importância da política na vida das pessoas, e da participação dos jovens nas eleições, 55,5% disseram se interessar muito pouco pelo tema, 23,1% não têm nenhum interesse e apenas 21,5% têm interesse.

Para os entrevistados, os principais motivos da falta de interesse dos jovens por política são: falta de informação (39,9%), falta de confiança nos políticos (32,1%), corrupção (22,3%), e 5,7% não souberam responder.

Os entrevistados manifestaram falta de interesse também de um dia se candidatar a um cargo político: 76% não têm nenhum interesse, 11,4 % têm pouco interesse, 3,6% têm muito interesse, e 9% não sabe.

Os entrevistados manifestaram falta de interesse também de um dia se candidatar a um cargo político: 76% não têm nenhum interesse, 11,4 % têm pouco interesse, 3,6% têm muito interesse, e 9% não sabem.

Questionados sobre participação em algum grupo de discussão sobre eleições ou política em alguma rede social, 70% dos pesquisados disseram que nunca participaram nem querem participar, 18,6% participam ou participaram, e 11,3% não participam, mas gostariam de participar.

A maioria dos respondentes (59,8) acredita que o mais importante na escolha de um candidato são suas ideias e projetos. Já para 35,8% é o histórico de vida pública do candidato. O partido do candidato e a religião foram os itens menos assinalados. Respectivamente 3,2% e 1,1%.

Nessa linha de raciocínio, 49,9% disseram que talvez votariam em um candidato desconhecido, mas com boas propostas, enquanto 30,2% votariam com certeza, e 19,9% não votariam.

A pesquisa também quis saber sobre a posição política dos jovens entrevistados. A maioria (34,7%) disse não ter ideologia política e que vota no candidato, 16,3% são mais de direita, 15,7% mais de esquerda, 9,6% mais de centro, e 23,7% não souberam responder.

Os jovens também apontaram qual o principal problema do Brasil hoje. Os mais citados demonstram a preocupação com a corrupção e o custo de vida: corrupção (20%), desigualdade social (17,7%), desemprego (13,6%), inflação (13,6%), política (11,9%), educação (11,5%), fome/miséria (7,7%), saúde (2,3%), meio ambiente (1,7%).

 

Melhorar a economia e consequentemente o custo de vida, apareceu como a ação que eles consideram a mais importante num programa de governo de um candidato. A opção foi assinalada por 38,8% dos entrevistados, seguida por melhoria na educação (21,7%) e combate à corrupção (21,5%).

Sobre a avaliação do governo federal hoje, 33% responderam péssimo, 30,8% regular, 21,8% ruim, 10,3% bom e 4,1% ótimo.

 

Por que pesquisar?

As pesquisas com os alunos são atividades recorrentes na Microcamp, Por meio delas, é possível conhecer o perfil dos alunos, suas necessidades, anseios, preferências, crenças e limitações. A partir daí, a empresa tem proposto ações (dinâmicas, palestras, workshops) que visam trabalhar a diversidade, a inclusão, o respeito, a cidadania, a empatia.

Isso é possível, conforme explica o CEO Davi Tuffi, “porque na Microcamp, além dos conhecimentos técnicos de cada curso, desenvolvemos competências e habilidades nos alunos de forma que eles sejam proativos, críticos, criativos e responsáveis, para conquistarem objetivos pessoais e profissionais”.

Posts Relacionados

Brasil vai na contramão com o contínuo aumento no valor dos combustíveis

Dores de Inverno: Professora de fisioterapia da UniSul explica como tratar os desconfortos musculares típicos da estação

Pesquisa revela que mais de 50% das modelos de OnlyFans trabalham sem a família e amigos saberem

Cardiopatia congênita afeta 30 mil crianças por ano no Brasil

Miami se torna sede da Copa do Mundo de 2026

Barcelona FC e ACNUR iniciam parceria com a nova camisa de futebol em apoio às crianças refugiadas

Presidente do UFC define data de retorno da Charles Do Bronx ao octógono

Maioria da população do Sul sente que inflação subiu muito, afetando principalmente consumo de alimentos, revela RADAR FEBRABAN

Dupla sertaneja Maiara e Maraisa é proibida de usar a marca “As Patroas”

Diário da Cidade

Mulheres caem em golpes financeiros mascarados de romance