Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Principais desafios para os 100 primeiros dias do governo Macron

Depois de uma campanha eleitoral dominada por discussões em torno da redução no poder de compra da população e o aumento nos preços da energia, os primeiros 100 dias do segundo mandato de Macron precisam estabelecer um roteiro para abordar três questões que precisam urgentemente de reformas.

A reforma da previdência pode colocar a trajetória da dívida pública da França de volta nos trilhos

À medida que o Banco Central Europeu (BCE) prepara o terreno para uma política monetária mais restritiva, estima-se que um aumento de 100bp na taxa de juros básica pode aumentar o custo do serviço da dívida da França em mais de 30 bilhões de euros em 10 anos (1,5% do PIB). Nesse contexto, a reforma previdenciária precisa ser rapidamente colocada de volta na mesa: espera-se que o aumento da idade de aposentadoria em dois anos venha a reduzir os gastos públicos com previdência em quase 2% do PIB por ano, o equivalente a cerca de 40 bilhões de euros. Este montante poderia ser aproveitado para estimular o crescimento sustentável e acelerar a transição verde no país.

 

Redirecionar o excesso de poupança das famílias para o investimento corporativo pode resolver o aumento da dívida, reduzindo o risco de instabilidade financeira?

Estima-se que as margens das empresas não-financeiras precisem aumentar em média +1,5pp para absorver o aumento de +8,7pp no índice de endividamento corporativo desde o surto de Covid19. No entanto, as margens devem cair -2,3pp até meados de 2023. Ao mesmo tempo, as famílias francesas detêm cerca de 250 bilhões de euros em excesso de caixa em comparação com os tempos pré-Covid, que devem ser cada vez mais direcionados para investimentos de longo prazo (descarbonização, digitalização, investimentos produtivos das empresas) em vez do mercado imobiliário.

 

A competitividade das exportações é o calcanhar de aquiles que exige reformas estruturais desafiadoras

A França tem um desempenho claramente inferior aos seus pares da zona do euro no que diz respeito ao desempenho das exportações e está altamente exposta a interrupções e escassez da cadeia de suprimentos. A guerra na Ucrânia destacou a urgência de alcançar a independência energética e acelerar o desenvolvimento de fontes de energia não fósseis, bem como repensar a especialização setorial. O déficit de energia da França pode chegar a 75 bilhões de euros em 2022, ou 2,9% do PIB (contra 1,9% do PIB em 2019). Nesse contexto, Macron precisa de um roteiro claro para revisar sua política industrial e aumentar sua capacidade de fabricação com maior apoio de tecnologias digitais, processos automatizados de fabricação e usinagem e fontes de energia limpa.

Mais detalhes sobre o estudo no link abaixo:

https://www.allianz-trade.com/content/dam/onemarketing/aztrade/allianz-trade_com/en_gl/erd/publications/pdf/2022_04_28_French-Economy-Post-Elections.pdf

Posts Relacionados

População venezuelana está preparada para contribuir com economia do Amazonas, revela pesquisa divulgada pelo ACNUR e Pólis

Asia Shipping defende que 2022 será o ano da exportação brasileira

Rede Família transmite o maior evento de boxe da América Latina

Jovens disputam vaga na Seleção Brasileira de Bocha Paralímpica

Brasil produz 900 toneladas de erva-mate por ano e diversificação no mercado mostra universo muito além do chimarrão

99 pretende impactar 750 mil motoristas com ações de conscientização para o Maio Amarelo

Torneio de golfe beneficente arrecada recursos para causa do câncer infantojuvenil no Brasil

Ipiranga lança “Na direção, seja amarelão” para promover Maio Amarelo

Falta de acesso e saneamento agrava pobreza menstrual no país

Para 42% dos jovens, redes sociais podem influenciar eleições e 96% acreditam na relevância das fake news