Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

Rede de artesãs lança localizador para pessoas comprarem máscaras de proteção à Covid-19 diretamente das costureiras

Setor do artesanato é um dos afetados pela crise provocada pelo novo coronavírus e a ferramenta apoia as artesãs de todo o Brasil;

São 800 costureiras cadastradas no site;

Preço médio é de R$ 5,00 e a compra é feita diretamente com as costureiras.
A pandemia da Covid-19 trouxe ao cenário das ruas e estabelecimentos comerciais do país um novo artefato, que são as máscaras faciais de proteção. O uso das máscaras tornou-se uma necessidade a quem deseja se proteger da contaminação do novo coronavírus e obrigatório em alguns estados e cidades brasileiros. Esse é o caso do Estado de São Paulo, onde passou a valer, a partir do dia 4/05, a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção em qualquer transporte público. Outras regiões também se adaptam aos novos tempos. Por outro lado, o setor de artesanato é um dos mais afetados por essa crise, deixando centenas de artesãos sem renda pela país.

Para suprir uma necessidade e apoiar as artesãs, a Rede Asta – negócio social que há 15 anos atua na economia do feito à mão desenvolvendo artesãs em empreendedoras pelo país – lançou uma plataforma que permite localizar as costureiras e artesãs que produzem as máscaras de tecidos em 170 cidades brasileiras. Ao todo, são 800 costureiras e artesãs cadastradas no localizador, com maior concentração na região sudeste do país. Basta acessar o link.

A geolocalização oferecida pela plataforma permite a entrega das máscaras em poucos dias, por estarem próximos comprador e costureira, ao mesmo tempo em que incentiva o comércio local. “Nossa rede sempre procurou apoiar as mulheres artesãs na geração de renda. São muitas vezes a única pessoa da família a ter uma renda é a artesã.
Por isso, estão sofrendo o impacto direto com a pandemia e muitas passando necessidades. O Brasil possui mais de 10 milhões de artesãs. Reunimos nesta ferramenta uma parcela delas, mas outras ainda podem entrar”, diz Alice Freitas, que fundou a Rede Asta em 2005 com Rachel Schettino.
Segundo ela, o perfil da artesã que compõe a rede é de mulheres entre 40 a 60 anos, das classes C e D, e 80% são a única fonte de renda da família. Cada uma produz em torno de 60 máscaras por dia, de tecido e estampas variadas. “É importante destacar que a plataforma não é e-commerce, mas uma geolocalização, pela qual as pessoas e empresas podem encontrar as costureiras mais próximas e fazer a encomenda diretamente a elas”, diz Alice.

Entre as artesãs está Luciane Braga, 50 anos, de São Paulo, que mora com os pais de 87 anos. Ela produz bonecas e bichos de panos para crianças, mas sem a opção de vender suas peças nas feiras, por conta da Covid-19, ela costura atualmente máscaras faciais. “A plataforma foi uma ideia maravilhosa porque tem muitas mulheres fazendo as máscaras, mas não sabem como vendê-las. Esse contato será direto com o interessado. Eu posso enviar pelo Correio, por motoboy ou a pessoa pode retirar. Tenho fé que a plataforma vai nos ajudar a vender mais peças, pois precisamos, diz ela, que também afirma que pode customizar as peças com bordado livre, retalhos e confeccioná-las em tamanhos diferentes.

Sobre a Rede Asta

Rede Asta é um negócio social que atua na economia do feito à mão desenvolvendo artesãs em empreendedoras que transformam resíduos em produtos bons, bonitos e do bem.

A Rede Asta foi fundada em 2005 por Alice Freitas e Rachel Schettino, ex-executivas que decidiram se tornar empreendedoras sociais. Alice havia viajado para a Índia a fim de conhecer de perto negócios sociais que aconteciam no país e se interessou pelo feito a mão ao ver as artesãs tecendo. Ela e Rachel iniciaram o negócio social com o objetivo de valorizar o artesanato brasileiro e empoderar as artesãs, o que vêm fazendo desde então.

Posts Relacionados

Primeiro a tomar a vacina em SC pede que população se imunize “em nome do amor”

INSS: o que muda para quem quer se aposentar em 2021

Casal chapecoense atinge teto de faturamento do MEI em nove meses

Motorista embriagado causa acidente na Estrada da Rainha

Diário da Cidade

Academia Municipal do Pontal Norte estabelece novas regras de funcionamento

Coollabore Art Park une criatividade, inovação e arte de rua em projeto inédito em Itajaí

Stone leva Camboriú à Times Square

Procedimento inédito para tratamento de câncer é realizado no estado

Diário da Cidade

Tinta, tela e pincel: conheça André Baía e a técnica que ajuda cegos a enxergarem através da arte.

Ciclone provoca vento forte no fim de semana

Câmera ao vivo Praça Almirante Tamandaré Balneário Camboriú – Live cam

Diário da Cidade

Canal do Porto de Itajaí Ao Vivo!

Roda Gigante Balneário Camboriú Big Wheel Câmera ao vivo

Diário da Cidade

Justiça de SC decide que não há vínculo de emprego da Uber com motoristas

Federação Catarinense de Municípios faz parceria com Butantan para adquirir a vacina Coronavac

PMSC lança campanha de Natal para arrecadar brinquedos ou alimentos para entidades beneficentes

Denúncias de violações contra mulheres, crianças, idosos e pessoas com deficiência crescem quase 33% em 2020

De Vw Voyage a imóveis no litoral: veja os bens dos candidatos à prefeitura de Balneário Camboriú.

Diário da Cidade

Estado cede prédio para abrigar a nova sede da 1ª Delegacia de Polícia em Blumenau

Traficante procurado pela Interpol é preso em Balneário Camboriú

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: