Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES Noticia BR Notícias

Roger, Do Conjunto “A Gente Somos Inútil”, Diz Que Nunca Precisou Da Funarte. Precisaria Pra Quê?

Roger, Do Conjunto “A Gente Somos Inútil”, Diz Que Nunca Precisou Da Funarte. Precisaria Pra Quê?

 

Roger é talvez o mais resiliente dos decadentes do universo bolsonarista. Seu olhar em torno de si mesmo produz a perfeita caricatura do Brasil, representada pelas classes média e alta desse país.

Preconceituoso até a medula, Roger, quando fala do Brasil, fala muito mais de si e dessa manada patriótica formada por americanófilos de carreira.

Não vou aqui discutir a arte, na verdade, reputo-me à condição de reproduzir a frase do grande guru da cultura brasileira, Mário de Andrade sobre o conceito de arte na sua Conferência na Sociedade da Cultura Artística em São Paulo, quando abriu a sua palestra dizendo: “Gostaria de dizer em primeiro lugar que eu não sei o que é arte”.

Mário de Andrade, que tinha obsessão pelo humano, fez com que ele enxergasse como ninguém o sentimento mais profundo da alma dos brasileiros, tinha um olhar agudo, os ouvidos atentos e a percepção do todo sobre a arte popular no Brasil. Por isso era um aficionado pelas manifestações culturais espontâneas do povo brasileiro, produzindo livros que são verdadeiras obras primas sobre cada filigrana desse universo sem fim de expressões culturais desse país, plantando com isso, um marco de uma espécie de renascença tropical e o período mais fecundo da produção da música sinfônica no país, pois foi grande orientador dos nossos maiores compositores e maestros da música erudita brasileira.

Para Mário de Andrade, como ele próprio escreveu no livro O Baile das Quatro Artes, “na arte, o humano é a fatalidade”.

É aí que começo a falar sobre Roger, esse produto forjado pela nefasta cultura de massa no Brasil.

Em primeiro lugar, é preciso dizer com todas as letras que há uma diferença abismal entre o que é popular e o que é virtualmente popular, porque no Brasil tudo o que é vulgar, é tido como arte pobre para ser consumida pelo povo pobre, quando, na verdade, as manifestações artísticas mais criativas, mais belas e, sobretudo mais independentes de qualquer rasgo estético vêm ou se inspiram nas manifestações culturais protagonizadas pelas camadas mais pobres da população, porque a arte só evolui pelo afeto. E por esse mesmo afeto o Brasil se tornou o país mais miscigenado do mundo, principalmente em sua base social. Em consequência, produziu a maior e mais rica diversidade cultural do mundo.

Isso posto, pode-se afirmar com a mão na consciência, que com a experiência da observação de um produto de mídia que Roger foi e, hoje, uma figura decadente e deprimente, que aquele manequim atochado na sua imagem como representante de uma juventude anarquista, era puro produto de mercado para atender, principalmente, às classes média e alta de imensa maioria branca no Brasil.

É essa ex-juventude, hoje sexagenária, que tinha Roger como ídolo nos seus tempos áureos de “a gente somos inúteu” que tem produzido as paspalhices mais agudas dos verde e amarelo apatetados na vida política do país.

A proporção diante do restante da população, como mostra o Datafolha hoje, diz respeito àquela mesmíssima parcela de alienados que, quando jovens, zanzavam pra lá e pra cá bancando os playboys tropicais, muitos inclusive, filhos das camadas operárias, arrotando burguesia de fachada para buscar um degrau a mais no ambiente social, político e institucional, demandado pelas classes economicamente dominantes.

Por isso Roger e seus ex-admiradores de juventude aplaudiram com entusiasmo o massacre de negros e pobres pela PM em Paraisópolis. E eles que tinham nas drogas o seu ponto de afirmação na juventude, hoje, criminalizam usuários e a comercialização da qual tanto lançaram mão.

Essa gente do “sexo, droga e rock and roll” encaretou? Não, sempre foi uma mentira social, sempre viveu de uma aparência forjada na sociedade de consumo para, através da etiqueta de uma roupa, calçado, de um automóvel ou de qualquer outra coisa banal vinda da futilidade típica da cultura de massa, criar o personagem do idiota perfeito para servir como o grande protagonista do consumo que se deu, sobretudo, a partir da década de 1960, copiando o modo de vida da juventude americana, inspirada nos enlatados hollywoodianos.

O maestro que hoje preside a Funarte, disse que o rock é satânico, entre outras sandices. Roger, depois de ser cobrado por tal declaração de um devoto como ele do fascismo tropical, respondeu, “eu nunca precisei da Funarte, eu quero que ela se dane”. Então, uma pergunta é inevitável, por que Roger algum dia precisaria do apoio da Funarte, Fundação Nacional da Arte?

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

Posts Relacionados

TRAVESSEIRO DE PEDRA UNGIDO – APÓSTOLO ARNALDO

diariodacidade

Ozônio é importante aliado na desinfecção de ambientes com flexibilização do isolamento social

diariodacidade

Crise tem maior impacto em negócios liderados por empreendedores mais velhos

diariodacidade

Dia do Meio Ambiente: preservar água é prioridade da Epagri na estiagem

diariodacidade

Balneário Camboriú poderá ficar sem transporte coletivo devido impasse com a Expressul

diariodacidade

Covid-19: Frigoríficos do Oeste de SC começam a se adequar à proteção de indígenas

diariodacidade

Semasa prepara Estação de Tratamento de Esgoto para atender 80% do território urbano até 2022

diariodacidade

Negócios se adaptam para reabrirem as portas e amenizar impactos da crise

diariodacidade

Justiça do Trabalho de SC lança ação nas redes sociais em mês que marca combate mundial ao trabalho infantil

diariodacidade

Governo do Estado anuncia retomada do concurso público para agente penitenciário

diariodacidade

Projeto prevê denúncia pela internet dos casos de violência contra a mulher

diariodacidade

Camboriú: Areias recebe nova unidade básica de saúde

diariodacidade

Nota de esclarecimento: Prefeitura de Camboriú e Águas de Camboriú – COVID-19

diariodacidade

Polícia Militar deflagra operação contra furto de bicicletas em Balneário Camboriú

diariodacidade

Entrega de Declaração Anual de Faturamento do Simples Nacional tem prazo prorrogado

diariodacidade

ReciclaBC coletou 231 toneladas em maio, 44.58% a mais do que no ano passado

diariodacidade

Correios recebe encomendas da China por via marítima

Diário da Cidade

Depressão na quarentena: como lidar?

Diário da Cidade

Pedidos de indenização por morte decorrente da Covid-19 geram embates entre beneficiários e seguradoras

Diário da Cidade

Cuidados com os olhos em tempos de pandemia

Diário da Cidade

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: