Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

Sebrae/SC se reúne com produtores de cachaça e banana de Luiz Alves para debater Indicação Geográfica

Na última sexta-feira, 17, o Sebrae/SC se reuniu com os produtores de cachaça e banana do município de Luiz Alves para aprovar documentos que compõe o dossiê do pedido de registro de Indicação Geográfica (IG) dos dois produtos e debater os ajustes finais dos selos. O encontro com os produtos de cachaça aconteceu no auditório da Prefeitura e com os bananicultores na Sociedade Esportiva e Recreativa Faixa Azul.

A primeira reunião foi realizada com a Associação dos Produtores de Cachaça Artesanal de Luiz Alves (APCALA), que aprovou o caderno de especificações técnicas para receber o selo de Indicação Geográfica. O documento aponta Luiz Alves como a Capital Catarinense da Cachaça, com produção artesanal, identidades e variedades coloniais. Na ocasião, os produtores aprovaram o novo estatuto da associação, que caracteriza a entidade como requerente da indicação geográfica, tornando o produto origem do território.

No local também foi apresentada as pesquisas realizadas pela UFSC com as leveduras da cachaça e aguardente de Luiz Alves, que apontam uma característica única na bebida. Com a Indicação Geográfica (IG) do produto, o produtor será protegido e a cachaça passa a ter proteção contra falsificações, fortalecendo o associativismo e renome já conquistado no mercado, além de abrir novas oportunidades, ampliar os mercados e promover o turismo.

Segundo o Secretario de Agricultura e Meio Ambiente de Luiz Alves, Ronivandro Edson Piccini, o principal objetivo do pedido de indicação geográfica é acabar com a pirataria da bebida e diferenciar a banana no mercado. “Queríamos uma ferramenta que os produtores pudessem usar para vender como produto original de Luiz Alves. Com o selo, os produtores terão uma ótima oportunidade de ampliar os negócios com um produto único e assim fortalecer o turismo com a rota da cachaça no município e vender a banana com qualidade luizalvense”, destaca.

A reunião com os produtores da Associação de Bananicultores de Luiz Alves (ABLA) discutiu as regras da produção da fruta no município e a mudança que o selo de indicação geográfica trará para Luiz Alves. A associação também aprovou o novo estatuto da associação e o caderno de especificações técnicas, que caracteriza a entidade como requerente da Indicação Geográfica, tornando a banana de qualidade e fazendo com que seja reconhecida no mercado.

O selo de Indicação Geográfica (IG) da banana irá melhorar a organização da cadeia produtiva, fortalecer o associativismo, proteger o produtor com direito ao uso da IG e controlar o produto contra falsificações, ajudando a desenvolver novos mercados. Além disso, com o selo, haverá o fortalecimento do produto e o território, desenvolvendo novos ativos econômicos no entorno da cadeia produtiva, como turismo, outras indústrias e produtos derivados.

De acordo com o Gerente Regional do Sebrae da Foz, Alcides Sgrott Filho, o selo de Indicação Geográfica reconhecerá os produtos de qualidade da região. “A parceria entre Sebrae/SC, Prefeitura Municipal e Associação da Cachaça e da Banana é muito importante para continuar fortalecendo o setor agropecuário, ampliar a divulgação dos produtos e incentivar o empresário mostrando que o produto dele é referencial nacional. Com o selo, Luiz Alves receberá mais turistas e movimentar ainda mais a economia local”, destaca.

Indicação Geográfica (IG)

A Indicação Geográfica tem o objetivo de apontar a origem geográfica de um produto, que apresenta uma reputação ou qualidade única, atribuída aos recursos naturais como solo, vegetação, clima e os recursos humanos como a organização da cadeia produtiva, a cultura e o saber fazer. Esse reconhecimento pode ser realizado em uma das duas formas de registro: a Indicação de Procedência (I.P), quando o nome geográfico da região o tenha tornado conhecido pela produção ou a Denominação de Origem (D.O), que utiliza o nome geográfico identificando o produto por suas características exclusivamente relacionadas ao meio geográfico, por fatores naturais e humanos.

Posts Relacionados

Nova Política Hospitalar Catarinense vai injetar R$ 600 milhões em hospitais do estado em 2022

Startups se unem e lançam programa gratuito para capacitar e empregar 100 mulheres em TI

Diário da Cidade

Chega a Florianópolis o Uber Planet 🌎, nova modalidade para compensar a emissão de carbono durante viagens

Governo investe R$ 18 milhões em editais para ciência, tecnologia e inovação

FAESC acompanha revisão do Código Ambiental de SC

Colégio Santa Catarina realiza entrega de 500 livros arrecadados e destinados para Escola Marista de São José

Plasvale facilita acesso a exames e incentiva colaboradoras a se cuidarem no Outubro Rosa

Sicoob divulga Agenda e Relatório de Sustentabilidade

Mais de 20,5 mil crianças e adolescentes foram vacinados no Dia D da Campanha de Multivacinação

SENAR/SC forma novos técnicos em agronegócio em Braço do Norte

Diário da Cidade

Sindilojas Blumenau entra com ação coletiva contra o Facebook

Governador Carlos Moisés determina estudo para viabilizar redução dos preços dos combustíveis

Sine de Santa Catarina está com quase 9 mil vagas de emprego abertas

Diário da Cidade

Senac SC conquista medalha de ouro na primeira semana de competição nacional

Doutorando da Udesc Lages recebe prêmio internacional com estudo de teste de Covid

Rede Carioca Calçados, com 19 lojas em SC, é adquirida por grupo paulista

Feira do Empreendedor terá espaço para renegociação de dívidas e acesso a crédito

Em Brasília, governador debate criação do plano de desenvolvimento para infraestrutura de SC

Jaraguá do Sul (SC) ganha loja exclusiva da Calçados Bibi

Após quase morrer de câncer, a solidariedade