Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
ENTRETENIMENTO

Testosterona: níveis do hormônio interferem na saúde do homem

Médico André Manoel enfatiza que os homens precisam estar atentos e indica pequenas mudanças que podem ajudar nisso

 

A testosterona é um hormônio responsável pelas características androgênicas do ser humano, ou seja, pelas características masculinas. A mesma está presente tanto em homens, quanto em mulheres. Segundo o médico André Manoel, que atua com medicina de estilo de vida, as mulheres também precisam desse hormônio, só que em níveis bem menores que os homens.

“É importante compreender que por ser um hormônio, a testosterona age no nosso cérebro, nos órgãos reprodutores, músculo, coração, gordura, enfim, em todos os nossos tecidos corporais”, compartilha o médico que destaca ainda que muitas pessoas acabam relacionando a testosterona com músculo, estética, hipertrofia, com um corpo esculpido, porém ela vai muito além disso.

Mas, e como saber os níveis de testosterona de cada pessoa? Manoel explica que o melhor caminho é passar por uma avaliação médica. No entanto, o médico diz que isso só deve ser feito se houver alguma indicação.

“Se houver mesmo a necessidade de fazer essa avaliação, são solicitados alguns exames de sangue para identificar a dosagem de testosterona total e livre, de di-hidrotestosterona, SHBG, e em alguns casos será preciso fazer exames de imagem, ou outros exames de sangue mais específicos e individualizados que vão conseguir identificar como está a produção hormonal”, destaca.

 

Atenção aos 40 anos

De acordo com o médico, por volta dos 40 anos, em alguns casos um pouco antes, os homens podem identificar uma série de sintomas que podem estar relacionados com a redução da produção de testosterona, a chamada andropausa.

Entre os sintomas estão: cansaço, redução do desejo sexual, aumento do acúmulo de gordura abdominal, perda importante de massa muscular, mais dificuldade na hora de praticar exercícios físicos, entre outros.

“Quando temos esse quadro clínico, somado ao diagnóstico laboratorial de níveis baixos de testosterona, podemos concluir que o homem está na fase da andropausa. Que nada mais é do que a redução da produção hormonal decorrente do processo de envelhecimento”, explica.

E para ajudar neste momento, o médico destaca que existem diversas opções terapêuticas que ajudam na reposição da testosterona e que a mesma deve ser definida de acordo com cada indivíduo.

 

Pequenas mudanças que podem ajudar

Algumas mudanças e a busca por um estilo de vida mais saudável podem ajudar na manutenção dos níveis de testosterona. Segundo o médico, são dicas que podem ser seguidas por homens e mulheres também.

Dentre as orientações estão: dormir antes das 23 horas e ter pelo menos 8 horas por noite, fazer a prática de atividades físicas regulares, principalmente de força para aquisição de massa muscular e seguir uma alimentação equilibrada. Importante que a mesma seja focada numa diversidade de micronutrientes, incluindo zinco, magnésio, selênio e ainda que tenha uma quantidade adequada de proteínas.

“Os homens de um modo geral comem mal, bebem mais, dormem menos, fumam mais do que as mulheres e também demoram muito mais a ter diagnósticos de algumas doenças crônicas, pois, não costumam fazer consultas regulares”, enfatiza Manoel.

O médico acrescenta que é importante manter um equilíbrio nos níveis de testosterona, pois a deficiência do hormônio, bem como o excesso da mesma, pode ser risco de desenvolvimento de uma série de doenças.

 

Testosterona e a Covid-19

Alguns estudos científicos demonstraram que o vírus do coronavírus pode utilizar a testosterona e que o hormônio pode facilitar a entrada do vírus nas células e também a replicação da doença no corpo. Segundo o médico, isso causou um burburinho, tanto na comunidade científica, quanto no público leigo, pois muita gente queria saber de fato o que isso poderia significar.

O que os estudos apontam é que os homens com Covid-19 tendem a morrer mais, mas isso pode estar relacionado também ao estilo de vida, já que o público masculino tende a cuidar menos da saúde do que as mulheres.

“As pesquisas mostraram ainda que pessoas com níveis de testosterona muito alto, de modo geral aquelas que usam testosterona de modo inadvertido e sem acompanhamento médico podem sim ter casos mais graves do novo coronavírus”, completa o médico.

Posts Relacionados

No mês do Orgulho LGBTIA+ modelo Indianara Jung revela ser bissexual

Dia mundial do yoga: prática avança no meio corporativo

Arraiá de Delícias traz receitas típicas e a alegria das festas juninas ao Itajaí Shopping

Youtuber ganha 10 mil do namorado e uma viagem para Dubai do marido: “um é pouco, dois é bom”

Inverno aumenta o risco de problemas respiratórios nos pets

Com inauguração prevista para janeiro de 2023, Indaiá Frohsinn já tem mais de 50 casamentos agendados

Cinemateca do MAM Rio e BV Licenciamentos realizam sessão de cinema virtual gratuita com Brad Pitt

“Reclamação faz muito mal”, Léa Michaan aborda formas de lidar e acabar com o hábito

MadeiraMadeira inaugura loja em Balneário Camboriú

Andrey Gonçalves renova o jazz contemporâneo em seu CD de estreia

Adidas anuncia nova loja no Porto Belo Outlet Premium

Balneário Shopping promove Wine Dinner nesta quarta-feira (16) 🍷

Arraiá Cultural gratuito promove um resgate da alegria no inverno em Florianópolis

Bicentenário de Anita Garibaldi: divulgado calendário comemorativo de Santa Catarina

Wemobi chega a Florianópolis, Maringá e Londrina

Powpay, o app feito para a nova geração de crianças e adolescentes super conectada

8 cuidados que você deve ter na hora de vender um automóvel

Projeto Perfor.mãe.ser realiza encontro online SOMA, sobre maternidade e teatro, e apresenta vídeo-arte nesta quarta (16) e sexta (18)

Planeta das Gêmeas ultrapassa 4 bilhões de views no Youtube

Crianças autistas e a interação com os pets: conheça os benefícios