Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

Justiça Federal determina que Incra conclua legalização de terra quilombola na Grande Florianópolis

Autarquia federal terá prazo para completar identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação da comunidade Santa Cruz, em Paulo Lopes (SC)

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) foi condenado pela Justiça Federal a adotar as providências necessárias para a conclusão do procedimento administrativo de identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas pela comunidade remanescente de quilombo Santa Cruz, no município de Paulo Lopes (SC). A sentença, do dia 15 deste mês, da juíza Marjôrie Cristina Freiberger, da 6ª Vara Federal de Florianópolis, atende ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina.

Na ação a procuradora da República Analúcia Hartmann, do MPF, pediu a condenação para que o Incra conclua o processo de demarcação de Terra Quilombola Santa Cruz, de Paulo Lopes. Conforme a ação, o MPF instaurou inquérito civil público em 2010 para apurar a situação de comunidades remanescentes de quilombos em Santa Catarina. O Incra foi oficiado para que informasse quais são as comunidades existentes no estado e a situação de cada uma frente ao processo de regularização fundiária e, em resposta, afirmou que os processos de regularização tinham início a partir de demandas específicas, mas que pretendia efetuar um levantamento, dependendo, todavia, de processo licitatório.

A comunidade Santa Cruz, conforme a ação, teve certificado seu autorreconhecimento pela Fundação Palmares, entidade vinculada ao Ministério da Cultura, em 2 de março de 2007 e, apesar das providências requeridas pelo MPF, o Incra não concluiu o processo de demarcação, que começou em 2010 com a realização de procedimento licitatório visando à contratação de empresa especializada para a elaboração de relatórios antropológicos.

Em 2011 a empresa contratada chegou a começar os trabalhos que, informa a ação, “teriam sido suspensos por uma suposta falta de interesse da comunidade, o que não é verdade, pois muito provavelmente a abordagem e informações às pessoas interessadas não foram adequadas”. Uma nova empresa foi contratada pelo Incra e, apesar dos trabalhos terem começado em 28 de março de 2015, o relatório antropológico final só foi aprovado pela Comissão de Acompanhamento e Fiscalização praticamente dois anos depois, em 2 de março de 2017. “Todavia, até o momento o processo não foi finalizado, sob o argumento de falta de recursos humanos e orçamentários”, observa a sentença.

Garantia constitucional – As comunidades remanescentes de quilombos fazem parte do patrimônio cultural brasileiro, conforme o artigo 216 da Constituição. “Elas retratam e preservam a cultura afro-brasileira, remanescente do povo africano que colonizou o país e, portanto, devem ser protegidas pelo estado, de acordo com o artigo 215, § 1º, da Constituição Federal. O artigo 216, § 1º estabelece que o poder público deverá promover e proteger o patrimônio cultural brasileiro por meio de todas as formas de acautelamento e preservação existentes”, defendeu o MPF, em argumento utilizado na sentença da Justiça Federal.

Conforme a ação civil pública do MPF, citada na decisão, “deve-se ter em mente que o território é muito mais que um espaço físico; é um espaço de identidade histórica e cultural. Negar a demarcação da terra quilombola, sob o pretexto de óbices administrativos, perpetuando uma situação, é continuar promovendo a violência no racismo”.

A sentença ainda diz: “É uma ‘política do espaço’, uma prática que vincula raça e territorialidade para confirmar e perpetuar o fato do não pertencimento dos negros como povo brasileiro. Um povo marcado pela raça e pela história da escravidão. É também uma dívida do país com o período colonial. Portanto, se já está em andamento o procedimento para reconhecer a terra ocupada pelos quilombolas como de sua propriedade, deve o poder público finalizá-lo e cumprir com o mandamento constitucional, não só como dever legal, mas como dever moral.”

Posts Relacionados

Coronavírus em SC: Estado confirma 8 mil casos e 131 óbitos por Covid-19

Escola Superior de Cerveja e Malte libera uma bolsa de estudos por cervejaria no Brasil

Cadastro para novos beneficiários do passe livre do ferry boat entre Itajaí e Navegantes

Setor turístico da Costa Verde & Mar ganha canal sobre medidas para retomada das atividades

Companhias aéreas retomam voos nos aeroportos de Santa Catarina

Pedidos de novas ligações de água agora podem ser de forma digital em Camboriú

Luciano Hang é alvo de operação da PF em investigação sobre fake news

Governo entrega mais 7 km restaurados na BR-470/SC

Aprovada prorrogação da entrega da Declaração de Regularidade Sanitária para abril de 2021

Balneário Camboriú tem 156 casos de dengue, fumacê será aplicado no centro

Nego Joe faz live pelo Facebook da Prefeitura na quarta-feira

Cães resgatados viram modelos para campanha de estímulo à adoção

Águas de São Francisco do Sul conclui obras da Estação de Tratamento de Esgoto

Coronavírus em SC: Agroindústrias doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia

Balneário Camboriú registra o maior içamento do país no maior prédio residencial do Brasil

2ª edição do Festival on-line Ficaí ocorre nesta quarta (27) e quinta (28) com 12 artistas de todo o país

Diário da Cidade

Entidades de Balneário Camboriú levantam bandeira do associativismo e lançam movimento #SomosTodosBC

Diário da Cidade

IPVA 2020: pagamento em cota única termina no dia 1º de junho

EMASA emite comunicado aos imóveis com consumo acima da média habitual

Barreiras sanitárias já abordaram quase 300 veículos em Balneário Camboriú

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: