Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia BR

Feliciano é vaiado em ato de artistas: “Música para meus ouvidos”

Parlamentar foi alvo de protesto durante sessão da Comissão de Cultura

Com sua tese de golpe servindo apenas para atrair atenção da mídia no exterior, o novo “cavalo de batalha” dos movimentos esquerdistas do Brasil é a cultura. Não na sua forma popular e histórica, mas as produções que, mesmo levando milhões dos cofres públicos a título de renúncia fiscal, ainda cobram ingresso.

Durante reunião da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados nesta terça (24), o deputado federal pastor Marco Feliciano (PSC/SP), foi vítima de um protesto. O local estava repleto de parlamentares e artistas que se manifestavam contra o presidente interino Michel Temer (PMDB). Muitos cartazes com os dizeres “Fora Temer” e “Temer golpista” podiam ser vistos. Também haviam palavras de ordem contra o novo MinC.

A comissão, presidida pelo deputado Chico D’Ângelo (PT/RJ), deveria debater o destino do Ministério da Cultura. Contudo, somente os simpatizantes do governo Dilma Rousseff puderam se manifestar livremente. Logo que chegou na reunião, Feliciano foi vaiado pelos presentes. Ignorando-os, ele sentou na primeira fila e pediu a palavra. Agora líder do seu partido na Câmara, tem prioridade para falar.

Porém, não foi respeitado seu direito. Os manifestantes vaiavam o tempo inteiro, gritavam palavras de ordem e até palavras de baixo calão. Muitos viraram de costas enquanto ele tentava falar, inclusive convidados que estavam sentados à mesa de honra.

Tico Santa Cruz, cantor conhecido pela sua militância em prol do PT, segurava um cartaz com a palavra “golpista”, e tentou atribuir o rótulo ao pastor, que votou a favor do impeachment. O deputado Paulo Pimenta (PT/RS), sentado ao lado do pastor, fez gesto similar.

Mesmo com o plenário cheio de pessoas que gritavam sem parar, Feliciano foi contundente. “Isso aqui não é cultura. Isso é baderna. Vocês querem falar comigo?! Consigam primeiro os 400 mil votos que eu tive. Fui aqui ofendido, atentaram contra a minha honra. Por isso defendo uma CPI da Lei Rouanet”, avisou. Depois, emendou “Sei o que é ser um artista. Eu sou. Sou cantor. Tenho três CDs gravados e 20 livros escritos”.

Novo Líder do PSC

Nessa segunda (23), Marco Feliciano recebeu de toda a bancada do PSC o apoio para ser o novo líder do partido na Câmara. Ele representará a legenda no Plenário e no Colégio de Líderes, cabendo a ele a orientação dos deputados nas votações e a condução dos debates.

Assim que assumiu, já avisou: “Temos muito trabalho pela frente, pois nossas bandeiras foram muito atacadas, mas a população cristã pode ficar tranquila e confiante que estamos aqui vigilantes e prontos para agir, sempre que for necessário”.

Pré-candidato a prefeito de São Paulo, a atuação de Marco Feliciano na Câmara nunca foi fácil. Desde que assumiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos, ele foi alvo de campanhas difamatórias e perseguido por grupos LGBT. Por defender questões como a família tradicional, lutar contra as políticas de legalização do aborto e ser contra a descriminalização das outras drogas, sempre foi combatido pela ala esquerdista que dominou o Congresso nos últimos anos.

Posts Relacionados

O que é a Síndrome da Cabana?

Dor de cabeça pode ter relação com a coluna, entenda

Fort Atacadista inaugura 58ª loja com investimento de R$ 120 milhões

Do topo ao fundo: 11 times que já estiveram em alta, mas estão sem divisão nacional em 2024

Embora e-commerce tenha perdido tráfego em dezembro, segmento turístico continua aquecido

Primeiro dia da 6ª Conferência Distrital de Cultura reúne agentes culturais para apresentação de demandas da classe

Revisão da vida toda: STF reinicia deliberações em uma nova etapa de análises

Capacitismo: atletas colegas de Vinicius Rodrigues explicam como evitar o preconceito que atinge pessoas com deficiência

Tecnologia na gestão escolar: quais as vantagens para a administração de instituições de ensino

O que é necessário para empreender em 2024?