Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
Noticia SC

Identifique sinais de abuso psicológico

*Psicóloga e voluntária no Projeto Justiceiras, Alessandra Augusto

Quando falamos de violência ou tortura pensamos logo em agressão física. O abuso ou violência psicológica tem por características palavras ou atos que coloquem a mulher em uma condição de humilhação, privação de sua liberdade de falar ou expressar, ser subjugada. Também gera a degradação da sua moral, quando é impedida de exercer sua vida social ou crença.

É importante sempre falarmos sobre esse tema, pois como não existe uma agressão física com empurrões, socos e sem a utilização da força física, muitas vezes a mulher não sabe que está vivendo uma violência. É interessante notar que o agressor também não entende isso como uma violência. Ele entende que agressão ou violência doméstica é apenas quando tem empurrão, chute ou espancamento. Hoje, como essas mulheres estão tendo voz, entendemos essa violência psicológica, que inclusive consta na lei Maria da Penha e é passível de punição.

O abuso não acontece por acaso ou do dia para noite, a pessoa já vem dando indícios no começo do relacionamento. Por exemplo, se eu tenho um namorado que começa a me limitar em relação aos meus amigos, eventos sociais e pontuando em relação às minhas roupas. Quando esse relacionamento evolui para um noivado ou casamento, a situação pode se estender na vida conjugal. Então, é importante prestar atenção aos sinais.

Vale ressaltar que muitas pessoas acreditam que abuso psicológico só acontece nas camadas mais baixas da sociedade e isso não é verdade. Há casos em que o companheiro aparentemente era perfeito e tinha uma situação financeira boa e se transforma nesse monstro.

O ideal é que, ao se relacionar, a mulher busque conhecer a família, o comportamento do companheiro, como ele era com os antigos relacionamentos, como era a conduta dele em relação a outras mulheres. Pergunte como foi o término, atente-se como ele é com a família, como se comporta, como é no profissional. Assim você passa a conhecer um pouco sobre o comportamento e temperamento desse indivíduo.

Geralmente quem pratica o abuso psicológico está mais caracterizado como abusador e manipulador. Ele faz com que a vítima entenda e acredite que a culpa é dela. Pois são usadas frases como “eu só fiz isso porque você me provocou”. Ou “se você não tivesse feito isso, eu não teria feito aquilo”. A vítima vai sendo envolvida e tendo esse prejuízo psicológico emocional. Ela se deprime e fica buscando nela o porquê dele agir assim.

O trabalho do psicólogo é fazer a mulher perceber e reconhecer que está vivendo isso. Existe essa dificuldade de reconhecer que tudo que ela passa, mesmo sendo verbalmente, constitui-se como violência. Isso causa danos emocionais, diminuição da autoestima e prejuízo no desenvolvimento pessoal e profissional dessa mulher. O sentimento dela é de estar acuada, humilhada e com medo. Existe um medo grande dela sair desse relacionamento e/ou tomar qualquer atitude.

Os psicólogos recebem e acolhem mulheres fragmentadas e desacreditadas, pois, como não existem marcas físicas, seu discurso muitas vezes é desvalorizado. No processo terapêutico, objetivamos reestruturar essa autoestima e desconstruir crenças disfuncionais e ressignificar os fatos, buscando libertá-la do trauma dessa relação. Em alguns casos, é preciso passar por um longo processo psicológico. É importante mostrar que existe vida após o abuso e essa mulher merece e tem o direito de ser feliz.

*Alessandra Augusto é formada em Psicologia, Palestrante, Pós-Graduada em Terapia Sistêmica e Pós-Graduanda em Terapia Cognitiva Comportamental e em Neuropsicopedagogia e voluntária no Projeto Justiceiras. É a autora do capítulo “Como um familiar ou amigo pode ajudar?” do livro “É possível sonhar. O Câncer não é maior que você.

Posts Relacionados

Em oito meses, IMA realiza 30 operações de fiscalização de produtos perigosos

Vokkan lança manifesto para apresentar o posicionamento do VivaPark Porto Belo, primeiro bairro parque do Brasil

Programa do SENAR/SC transforma a vida de mulheres do campo em São Domingos

Deputado Kennedy Nunes apresenta ao Ministério da Saúde proposta de incluir a cirurgia de correção intrauterina na tabela do SUS

STARK realiza curso sobre M&A e Operações de Crédito no Centro de Inovação Blumenau em 6 de outubro

Feira do Empreendedor Digital 2021 do Sebrae está com as inscrições abertas

II Conecta Saúde promove debate sobre segurança do paciente

Diário da Cidade

FFM tem inscrições abertas em cursos voltados a capacitação de executivos e empreendedores

Cooperativas Ailos se unem para preservar o bem-estar e a saúde mental de colaboradores

Santa Catarina zera imposto de medicamentos do kit intubação

Ferramenta gratuita do SENAR ajuda a garantir qualidade na produção de leite

Warren Investimentos anuncia aquisição da corretora Renascença DTVM

Governo do Estado trabalha para desbloquear rodovias catarinenses

Mercado imobiliário altamente aquecido atrai novas empresas para a região da Costa Esmeralda

Banco para condomínios fundado em SC recebe novo investimento de 6 milhões de reais

Mapeamento do ecossistema de CTI de SC ainda tem temas disponíveis para projetos

Rita Maria completa 40 anos de conexões, chegadas e partidas

Projeto que oferece cinema ao ar livre vai percorrer Santa Catarina

PremierSoft, de Blumenau, é listada entre as cinco melhores empresas para se trabalhar no país

Senador Dário Berger defende a implantação do Sistema Nacional de Educação