Migrantes que vivem em SC fazem campanha para ajudar vítimas de terremotos no Equador

109
Migrantes que vivem em SC fazem campanha para ajudar vítimas de terremotos no Equador Leo Munhoz/Agencia RBS

Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS
Ângela Bastos

angela.bastos@diariocatarinense.com.br

Mais uma oportunidade para os catarinenses mostrarem o lado solidário. Uma campanha para ajudar as vítimas dos tremores no Equador está arrecadando alimentos e outros itens. A iniciativa partiu de equatorianos que vivem em Florianópolis e conta com apoio da Pastoral do Migrante. Na tarde de sexta-feira, o grupo usou cartazes para chamar a atenção e fez caminhada pelas ruas do Centro da cidade.

Terremoto de 7,8 graus deixou 525 mortos e 1.700 desaparecidos

Existe uma lista para os donativos, como alimentos enlatados, fraldas descartáveis, cobertores, tolhas higiênicas, alimento para cachorro, máscaras de uso médico, repelentes para insetos, lanternas, barracas de camping, roupas de criança. O consulado do Equador em São Paulo abriu um canal de ajuda e até o dia 29 de abril receberá doações. Porém, é necessário que o envio dos estados chegue antes da data do embarque para Quito, a capital equatoriana.

Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

— Não temos muito tempo, por isso estamos à disposição das pessoas e aproveitando o final de semana. Criamos um grupo (Força Ecuador) e também contamos com o apoio da Pastoral do Migrante, ambos na internet — explica Luís Mushuctoky Quilumbong, um dos coordenadores da campanha em Florianópolis.

Pelo menos 600 morreram e há muitos desaparecidos 

O primeiro tremor foi sentido no sábado(15) e deixou pelos menos 400 mortos.  Um segundo ocorreu na terça-feira (19) e estima-se que 200 tenham morrido. Há ainda muita gente desaparecida. Os abalos atingiram de 7.8 e 6.1 na escala Richter e conforme dados oficiais mataram cerca de 600 pessoas. Há milhares milhares de desabrigados.

A Organização das Nações Unidas calcula que 150  mil crianças equatorianas tenham sido afetadas. Interessados em ajudar podem entrar em contato pelo fone (48)e 3225-7043 ou procurar a sede da Pastoral do Migrante, na Rua 13 de Maio, 62, Bairro José Mendes/Prainha, Centro de Florianópolis.