Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
NOTÍCIAS SANTA CATARINA

Produtores de conteúdo brasileiros que recebem pagamento do Google AdSense devem tributar o Imposto de Renda com carnê-leão

Economista do Instituto Brasileiro de Gestão e Planejamento Tributário dá orientações para youtubers e blogueiros sobre como pagar seus impostos e não ser surpreendido pelo Leão

Os youtubers e blogueiras brasileiros que têm seus materiais monetizados e recebem pagamento pelo Google AdSense, fonte situada no exterior, devem realizar o recolhimento mensal do Imposto de Renda por meio de carnê-leão. A cobrança é direcionada a pessoas físicas e sujeita a aplicação de tabela progressiva, que vai dos 12% aos 27%. Os rendimentos ainda passam por ajuste anual, sendo necessário informar na declaração do imposto de renda.  Caso a pessoa física não declare os rendimentos por meio do carnê-leão, irá cair na malha fina do Fisco e responder por crime de sonegação.

O economista Alex Sandro Fidelis Maciel, diretor do Instituto Brasileiro de Gestão e Planejamento Tributário (IBGPT), explica que o imposto deve ser recolhido no mês seguinte ao do recebimento. “Como o pagamento vem da matriz do Google, nos Estados Unidos, para um residente do Brasil, a tributação não pode ser feita na declaração anual. O produtor de conteúdo deve informar os dados fiscais, a guia é gerada e feito o pagamento. No final do ano, ele tem que fazer o encontro de todas as informações e, caso haja a necessidade de recolher mais imposto, efetua o pagamento restante”, declara. Há o recolhimento também do imposto sobre operações financeiras (IOF) pela instituição bancária.

Uma alternativa aos youtubers e blogueiras é receber o pagamento diretamente em conta no exterior, com uma plataforma montada nos Estados Unidos. No entanto, se residirem no Brasil ainda há a necessidade da tributação do imposto de renda. “O mais indicado é a abertura de uma empresa para produção de conteúdo, já que a tributação de pessoa jurídica é mais baixa, chegando a 12%. Uma empresa tem gastos com abertura, manutenção e contabilidade, porém o ganho tributário é gigantesco. Fora que ainda pode trabalhar com outras fontes de renda, como eventos e publicidade. Uma pessoa física vai pagar a tabela mais alta do imposto. Quanto maior a renda dela, maior a tributação”, compartilha Maciel.

O pagamento no YouTube é feito em dólares baseado na regra de “custo por mil”. O youtuber ganha, numa estimativa, entre US$ 0,25 e US$ 4,50 a cada mil visualizações do vídeo, o que corresponde entre R$ 1 e R$ 18,50 no Brasil. Quando o produtor de conteúdo acumula U$ 100, o Google faz uma transferência eletrônica internacional para a conta bancária cadastrada. Se ele não alcançar a quantia, o valor fica acumulado para o próximo mês.

Para ter monetização com anúncios, o youtuber tem ter 100% do direito autoral do que coloca em seus vídeos. Quem visualiza o material deve clicar nos anúncios ou assisti-los por 30 segundos para que gere dinheiro ao produtor de conteúdo. O valor do “custo por mil” não é repassado integralmente ao canal. O YouTube retira uma cota, o “revenue share”, que serve para a receita da empresa. Segundo o Business Insider, a cota chega a 45%.

Sites de câmbio – Algumas plataformas digitais garantem uma taxa de câmbio justa na conversão da moeda, isenção de tarifa bancária e custo de serviços baixos para receber pagamento do Google AdSense, em até um dia útil. Para o economista, os sites devem ser analisados com cuidado, mas o indicado é optar por manter o pagamento em agências bancárias. “Falando em questão financeira, as plataformas não vão afastar o imposto a ser tributado. A questão é pesquisar a confiabilidade do serviço, verificar sites de reclamações, comentários na internet e onde está sediado o CNPJ. Mas os bancos tradicionais têm a consolidação dos seus serviços”, finaliza.

Posts Relacionados

Boletim mostra que falta de chuva impacta no abastecimento de água em 167 municípios catarinenses

Projetos da Alesc sobre a Covid-19 são transformados em leis

Diário da Cidade

Coronavírus em SC: Alunos da rede estadual recebem materiais impressos para atividades não presenciais

Coronavírus em SC: Governo do Estado recebe lote com mais 34 mil testes rápidos e EPIs

Coronavírus em SC: Portarias estabelecem normas para funcionamento de shoppings, academias e serviços de alimentação

Simple Organic doa de itens de skincare para ajudar profissionais da saúde em Florianópolis

Motoristas podem pedir certidão de registro da CNH no Detran Digital

Santa Catarina torna obrigatório o uso de máscaras e álcool gel em estabelecimentos

Diário da Cidade

Escola em Florianópolis disponibiliza gratuitamente vídeos para estudos

Sebrae de Brusque retorna com atendimento presencial nesta quarta-feira

CDL distribui máscaras no centro de Chapecó

diariodacidade

Dário Berger já destinou mais de R$ 20 milhões para hospitais de Santa Catarina

diariodacidade

Coronavírus em SC: Corpo de Bombeiros Militar alerta para cuidados com o uso do álcool em casa

diariodacidade

Coronavírus em SC: Medidas de transparência fazem Santa Catarina subir dez posições em ranking de estados

diariodacidade

Em manifesto, COFEM pede mais diálogo ao governo de SC

diariodacidade

Comércio de Chapecó abrirá no feriado de Tiradentes

diariodacidade

Comunidade Guarani Morro dos Cavalos recebe compensação por danos morais

Diário da Cidade

Coronavírus em SC: Fapesc integra chamada nacional e oferece bolsas de estudo a pesquisadores catarinenses

Diário da Cidade

Coronavírus em SC: Governo do Estado confirma 884 casos e 29 mortes por Covid-19

Diário da Cidade

Anvisa atende solicitação de Dário e dá sinal positivo para produção de respiradores em SC

Oi, este aviso é só pra te lembrar de CURTIR nossa FanPage no Facebook

Assim, você poderá estar cada vez mais atualizado das novidades de sua região!

CLOSE
%d blogueiros gostam disto: