Diário da Cidade – Notícias Balneário Camboriú Esportes Entretenimento Eventos Política Empregos Camboriú Itajaí Itapema Navegantes Santa Catarina Brasil e Mundo
DESTAQUES

TRT-SC lança campanha de arrecadação para combater a pobreza menstrual

Você sabe o que é pobreza menstrual? É a falta de acesso a recursos e até conhecimento por parte de pessoas que menstruam para cuidados envolvendo a própria menstruação. De acordo com o estudo “Pobreza Menstrual no Brasil: desigualdade e violações de direitos”, 713 mil meninas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em seu domicílio e mais de 4 milhões não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas.

Com o objetivo de combater essa triste realidade, o TRT-SC, por meio do seu Comitê de Incentivo à Participação Feminina Institucional, e em parceria com a Amatra12 (Associação dos Magistrados do Trabalho da 12ª Região) e o Sintrajusc (Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal no Estado de Santa Catarina), lança a campanha “Ciclo Digno – Combate à Pobreza Menstrual”. O objetivo é arrecadar absorventes higiênicos e recursos financeiros para serem doados a mulheres em situação de vulnerabilidade.

Como ajudar

Quem quiser contribuir poderá entregar os donativos nas sedes do Tribunal, Sintrajusc, Amatra12 e nas Varas do Trabalho. Os produtos arrecadados na Capital serão destinados a três projetos não governamentais que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade social: o Instituto Padre Vilson Groh, a Rede com a Rua e o Instituto Arco-Íris de Direitos Humanos.

Há também a alternativa de realizar pix, depósito ou transferência para a conta corrente da Amatra12 utilizada para este fim – no caso do pix, a chave é feminina2030@gmail.com. Neste mesmo endereço de e-mail também serão recebidos questionamentos sobre a campanha. Já os dados da conta corrente são: Caixa Econômica Federal – Banco 104 – Operação 013 – Agência 2375 – Conta poupança 725-8.

Live
Para falar sobre o tema e explicar a campanha, foi realizada na tarde desta sexta-feira (10) uma live com a participação de uma especialista e de duas magistradas do Tribunal.

A presidente da Amatra12, juíza Patrícia Pereira de Sant’Anna, abriu o evento e falou sobre a campanha, que está alinhada ao cumprimento de diversos objetivos de desenvolvimento sustentável previstos na Agenda 2030 da ONU, como os de n. 1 (erradicação da pobreza) e 5 (desigualdade de gêneros).

A psicóloga e mestre Ursula Maschette, ativista em saúde menstrual, falou sobre as dificuldades enfrentadas por mulheres pobres pela dificuldade de acesso a produtos que ajudam no gerenciamento da menstruação.

“Pessoas pobres que menstruam passam por uma experiência muito particular de menstruação. Além da falta de recursos para adquirir os produtos necessários, a ausência de infraestrutura como acesso a um banheiro privativo ou até à água tratada também impacta essa experiência. Uma em cada quatro mulheres no Brasil não têm acesso a saneamento básico adequado”, alertou a especialista, falando também da importância do desenvolvimento de políticas públicas para resolver o problema.

“Eu sempre tive essa dúvida, sobre como as mulheres em situação de rua faziam quando estavam menstruadas, se conseguiam comprar calcinha, sobre como era a vida delas nesse ponto”, comentou a juíza Ana Rick, uma das fundadoras do grupo Calcinha Exocet, criado em 2020 e que compra e distribui absorventes e calcinhas para mulheres em situação de vulnerabilidade. A magistrada falou sobre o surgimento do grupo e de atividades realizadas, como quando suas integrantes se mobilizaram para levar itens de higiene para quem não tem acesso, em locais como penitenciárias e comunidades carentes.

A magistrada também falou sobre como diversos aspectos influenciam para o quadro de pobreza menstrual no Brasil. “Os absorventes são taxados de formas diferentes conforme o estado. No Rio de Janeiro, por exemplo, eles são isentos dos impostos estaduais, mas não existe nada ainda no âmbito federal ou municipal. Com isso, acontece que um absorvente é taxado entre 25% e 34,5%, pois é considerado um item supérfluo, em vez de item básico de higiene. Isso o deixa com um custo muito caro”, ressaltou.

Posts Relacionados

No Dia Mundial da Limpeza, neste sábado (18), Fort Atacadista patrocina mutirão de limpeza em Balneário Camboriú

Fort Atacadista sorteia 22 carros 0km neste sábado (18)

Ri Happy oferece vagas de empregos temporárias em Balneário Camboriú

Camboriú fará parte do roteiro de observação de aves da Costa Verde e Mar

BC amplia para 83+ o reforço da vacina contra Covid-19 nesta sexta-feira

BC amplia para 15+ a vacinação contra Covid-19 em adolescentes nesta quinta-feira

Professoras da Rede Municipal lançam livro sobre experiências na alfabetização

Atletismo de Balneário Camboriú recebe homenagem por desempenho internacional

Diminuição de casos graves de Covid-19 permite redução de leitos de UTI

Educação de Balneário Camboriú divulga 31° Chamada do Fila Única

Censo Populacional dos Animais termina dia 27 de setembro

Handebol de Balneário Camboriú vence Etapa Sul da Liga Nacional Cadete

Estão proibidos novos empreendimentos que façam sombra na Praia Brava, em Itajaí (SC)

Campanha da FEMAMA convoca população a aumentar possibilidades de tratamento de câncer de mama no SUS

Ansiedade atinge 9,3% da população brasileira e traz prejuízos também para crianças e adolescentes

Próteses auditivas discretas e tecnológicas ajudam a derrubar o preconceito contra a surdez

Médico Perito explica detalhes sobre a aposentadoria por invalidez

Conscientização e fiscalização: palavras-chave para diminuir a mortalidade de animais marinhos

Loja da Águas de Camboriú tem novo horário de atendimento ao público

Prefeitura de Camboriú abre inscrições para contratação temporária de operário braçal